Home - Sem categoria - António Costa admite adoptar medidas mais restritivas para o Natal

António Costa admite adoptar medidas mais restritivas para o Natal

O primeiro-ministro não afastou hoje introduzir novas restrições para combater a pandemia durante a época natalícia, afirmando que é preciso “estar sempre atento” caso novas medidas venham a ser necessárias, apesar de não as desejar. António Costa  salientou que o país já está “há quase dois anos nesta pandemia”, tendo retirado lições, como a necessidade de “adoptar medidas o mais cedo possível e que perturbem o mínimo possível a vida das pessoas, o esforço de recuperação da economia e a protecção dos empregos das empresa”.

“O que é que nós todos desejamos? Que ela não seja necessária. O que é que nós devemos ter presente? Que, se ela for necessária, cá estamos para adoptar medidas se elas forem necessárias”, referiu. Segundo o primeiro-ministro, “é assim que o país tem vivido nos últimos dois anos” e que conseguiu “resistir de uma forma difícil, dura para toda a gente”, mas onde os portugueses “têm sido exemplares na sua compreensão cívica” de que, em estado de pandemia, “cada um só se protege, protegendo os outros”.

Abordando as novas restrições de combate à pandemia que entram hoje em vigor em Portugal continental, o primeiro-ministro afirmou que acha que “todas as pessoas perceberam – os partidos políticos, os parceiros sociais e a sociedade em geral” que são “medidas bastante equilibradas, que procuram perturbar o mínimo possível o desenrolar de actividades”.

“Não encerrámos actividades, estabelecimentos, não limitámos horários ou lotações, agora reforçámos foi as medidas de segurança para todo estarmos seguros com essas medidas”, referiu. Segundo o chefe do executivo, o “reforço das medidas de segurança é também uma forma de dar confiança às pessoas” de que pose “continuar a manter a normalidade da frequência das actividades em maior segurança”.

António Costa mostrou-se confiante “que os portugueses irão aderir a estas normas”, apesar de o fazerem a “contragosto”, por terem “consciência da gravidade da situação” e porque sabem que, de forma a que o país saia “mais forte desta pandemia”, é necessário que “todos adiram as normas e restrições”.

“Nesta fase, tendo em conta a evolução que acontece no conjunto da Europa, tendo em conta que há uma nova variante e que nos aproximamos cada vez mais da época do frio, que vamos estar todos mais juntos no Natal e no período das festas, é necessário reforçar as cautelas”, indicou.

Para responder ao agravamento da pandemia de covid-19 em Portugal continental entraram hoje em vigor novas regras, como o reforço da utilização de máscara, da testagem e do certificado digital, bem como novas regras para entrar em Portugal pelas fronteiras aéreas, marítimas e terrestres.

Entre as novas regras está o regresso da obrigatoriedade do uso de máscara em todos os espaços fechados, voltando também a ser obrigatório o certificado digital covid-19 no acesso a restaurantes, estabelecimentos turísticos e alojamento local, ginásios e eventos com lugares marcados.

O acesso a lares, estabelecimentos de saúde, grandes eventos culturais ou desportivos e discotecas passa a ser exigir a apresentação de teste de detecção do vírus SARS-CoV-2 com resultado negativo, aplicando-se esta medida também a pessoas vacinadas contra a covid-19.

Também a partir de hoje todos os passageiros provenientes de voos internacionais, independentemente de possuírem certificado de vacinação são obrigados a apresentar um teste negativo de diagnóstico à covid-19 no momento do embarque, à excepção dos viajantes com certificado de recuperação da covid-19.

LEIA TAMBÉM

A 25

Utentes, empresários, sindicalistas e autarcas exigem fim das portagens nas ex-SCUT

Utentes, empresários, sindicalistas, autarcas e políticos participaram ontem numa assembleia cívica onde exigiram a eliminação …

COVID-19 aumenta e volta a matar no concelho de Tábua

O número de casos de COVID-19 dispararam na última semana no concelho de Tábua que …