Home - Economia - ARPT considera que nova taxa no aeroporto de Lisboa terá “efeitos devastadores” no turismo da Zona Centro

ARPT considera que nova taxa no aeroporto de Lisboa terá “efeitos devastadores” no turismo da Zona Centro

A Assembleia-Geral da Agência Regional de Promoção Turística (ARPT) Centro de Portugal está contra a criação de uma taxa turística na cidade de Lisboa, que consideram devastadora para o desenvolvimento do turismo da zona centro do país. Aquele órgão, reunido em Viseu, aprovou mesmo, por unanimidade, um voto de protesto contra esta medida, aplicada pela Câmara Municipal de Lisboa liderada pelo socialista António Costa.

“A ARPT Centro de Portugal entende que a aplicação de tal taxa turística seria altamente penalizadora para a região Centro de Portugal, traduzindo-se numa imediata perda de competitividade junto dos mercados externos”, refere uma nota de imprensa da ARPT, adiantando que os efeitos para a zona centro seriam prejudiciais. “Numa Marca como o Centro de Portugal, em que os aeroportos de Lisboa e do Porto são fundamentais para a criação de fluxos turísticos na região, a aplicação de uma taxa, cobrada directamente ao turista, teria um impacto profundamente nefasto no desenvolvimento turístico regional”.

A ARPT considera ainda que aquela medida passa por uma “municipalização do aeroporto de Lisboa, infra-estrutura que foi suportada financeiramente por todos os contribuintes e que serve todo o país e não exclusivamente o município de Lisboa”. “A ARPT Centro de Portugal avisa ainda que a nova taxa “irá ter um efeito devastador no desenvolvimento turístico nacional, entrando em total contra-senso com a actual tendência de crescimento do sector do Turismo”.

LEIA TAMBÉM

Têxtil Iuris localizada na Guarda já não encerra e vai para “lay-off”

A empresa “Iuris”, localizada na Guarda, já não vai encerrar, tendo a administração optado por …

Quase 40 por cento dos pedidos de lay-off foram rejeitados, diz ministra

Quase 40 por cento dos pedidos de lay-off foram rejeitados, diz ministraQuase 40 por cento …