Home - Sociedade - Cultura - As meias que vão das unhas do pé até à … Autor: Alexandre Luís
As meias que vão das unhas do pé até à …

As meias que vão das unhas do pé até à … Autor: Alexandre Luís

Foi com mestria que consegui desviar-me das duas primeiras, no entanto à terceira foi de vez. Levei com as cuecas na cara, vermelhas como se querem, da cor da paixão. Olhei para a vendedora e sorri.

Desde pequeno que as visitas às feiras fazem parte do meu currículo como beirão – não se aflija o Paulinho das Feiras que não tenho qualquer ambição de lhe desviar o epíteto. Admito perante vós que sou adicto em feiras, sobretudo as do período estival. Não que tenha uma tara por cuecas penduradas, embora reconheça que sem elas as feiras pudessem perder algum encanto. As feiras são o princípio ativo da minha singela loucura, trazendo agarradas a elas a infância da inocência e a simplicidade dos dias.

Ainda jovem imberbe, mas com pretensões de me tornar um verdadeiro Tony Ramos, seguia o passo apressado da minha mãe que subitamente parava, vistoriando o interior e o exterior de uns calções, esticando até ao limite as pobres fibras. E lá seguia novamente, levando apenas os impropérios da vendedora que lá no fundo odiava que lhe mexessem na mercadoria. Foi numa dessas feiras da infância que a vi e que nunca mais a esqueci. Lá estava ela, majestosa como se queria, cabelo de um negrume exótico, entrelaçado, ostentando uma verdadeira penugem de invejar, ali no centro nevrálgico que nos define como verdadeiros machos, entre o lábio superior e o nariz.

“É AGORA OU NUNCA FREGUESES… SÃO AS ÚLTIMAS… É P’RÓ VERÃO E P’RÓ INVERNO…”

E subitamente ela parava de gritar, deixando-me ali preso no enigma do produto. Um verdadeiro teaser.

“MEIAS QUE VÃO DAS UNHAS DO PÉ ATÉ À … COOOOMMMPREM MENINAS, COMPREM”.

O trabalho de rescaldo não demorou muito. Entre a surpresa e a desilusão, não pude deixar de desenhar as palavras proferidas, típico da imaginação fervilhante de um rapaz em potência. O resultado final não era digno de se ver… o corpo da feirante e as meias que vão das unhas do pé até à c… Não quero entrar em pormenores, mas como compreendo presentemente a necessidade de se limparem as matas mais recônditas. Não era preciso dizê-lo, mas reforço a ideia que desde este dia a vontade de ver aquele elemento filamentoso, rico em ceratina, distribuído por quase toda a superfície do meu corpo desapareceu totalmente. Admito porém que houve uma fase estapafúrdia, embora já devesse ter juízo, em que ostentei a famosa pera do chibo. Só um psiquiatra poderia analisar a minha jactanciosa pretensão. Com certeza que a homenagem à feirante da minha infância teria sem dúvida espaço no relatório do especialista.

Os tempos são outros, os produtos são outros. Não mais a vi, mas gostaria de a rever, de preferência sem as meias que vão das unhas do pé até à c… Hoje abundam as cuecas, sobretudo as cuecas sexys. Foi uma dessas cuecas que me esbofeteou. Olhei para a vendedora e sorri. A imaginação da infância não é a mesma. A vendedora era outra. Como tenho saudades dos tempos de antigamente…

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico

 Autor: Alexandre Luís
As meias que vão das unhas do pé até à …Foi professor e formador de Português/Francês durante vários anos, até que a famigerada crise o convidou a outros voos. Ultimamente tem-se dedicado à escrita e à fotografia, tendo previsto, num futuro próximo, a edição de um livro de contos e de um romance.

LEIA TAMBÉM

Ponte Palhez – rio Mondego – liga concelhos de Mangualde e Gouveia e distritos da Guarda e Viseu. Autor: João Manuel Pais Trabulo

Situada na EN 232, sobre o rio Mondego, serve de ligação entre os concelhos de …

E continuam a propor-se como a melhor solução para (des)governar o Concelho… Autor: António Lopes

Estou a pensar que, estamos a 24 de Maio. A lei, diz que os terrenos …