Home - Últimas - Associação Empresarial da Região de Coimbra considera “especialmente grave” visão do Governo sobre PRR

Associação Empresarial da Região de Coimbra considera “especialmente grave” visão do Governo sobre PRR

Associação Empresarial da Região de Coimbra (NERC) considera “especialmente grave” que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) “acentue cada vez mais uma visão macrocéfala e centralista de desenvolvimento das duas grandes áreas metropolitanas ignorando e esvaziando mais uma vez a Região Centro”. A Direcção da NERC declarou ainda a sua solidariedade para com a posição da Comunidade Intermunicipal de ontem, na qual alerta que o PRR “esquece projectos estratégicos e prioritários da CIM Região de Coimbra.

“Cita-se em especial no que respeita à Região de Coimbra que o PRR não demonstra inequivocamente um apoio à revitalização económica de todos os sectores empresariais com especial enfoque no Comércio, Turismo e Serviços, observando-se a importância da sua acção de proximidade na dinâmica do apoio aos Cidadãos”, refere a associação em comunicado.

A NERC reforça no comunicado as propostas já apresentadas aos organismos regionais e que contam com três linhas de actuação de apoio ao desenvolvimento das empresas. O primeiro é designado por REVIPROCOM e é m Programa Regional Para a Recuperação orientado para o Desenvolvimento da Economia Local e Regional, tendo como objetivo a modernização de unidades produtivas, com enfoque no comércio, serviços e turismo, sectores mais afectados pela pandemia, observando: Reestruturação dos negócios, Mudança de atividade e Integração das tecnologias digitais no modelo de negócio”.

Associação Empresarial da Região de Coimbra refere no segundo ponto a aposta em rexcursos endógenos de elevado potencial. “Desenvolver programas alinhados com a concentração regional de elevadas competências técnicas – Jovens Técnicos para as Competências Digitais e Jovens Técnicos para a Indústria 4.0 – privilegiando destinatários mais afectados pela pandemia como: jovens licenciados ou com 12.o ano para aquisição de competências nas áreas digitais, como comércio eletrónico, bases de programação, aplicações móveis, webdesign, cibersegurança, jovens desempregados ou recém-formados à procura do primeiro emprego, licenciados ou com 12º ano.

A NERC defende também a necessidade de assumir a Economia da Saúde e Economia Social como vectores estratégicos para a Região de Coimbra e por essa via para Região Centro ligando-a à afirmação de um Cluster da Saúde e das Ciências da Vida como bem económico e como fator de atração de investimento e criação de novos negócios nos domínios do turismo de Saúde, envelhecimento activo, promoção do sector termal (saúde e turismo).

LEIA TAMBÉM

Gouveia com dois novos casos de COVID-19, 11 recuperados e mais uma vítima mortal

O município de Gouveia registou mais dois casos de COVID-19 e mais um óbito. Segundo …

GNR deteve assaltante em Vilar Formoso

A GNR de Vilar Formoso deteve hoje um homem de 35 anos por furtos naquela …