Home - Destaques - Aterro de Vila Franca da Beira está em obras e pode renascer de forma organizada
Aterro de Vila Franca da Beira está em obras e pode renascer de forma organizada

Aterro de Vila Franca da Beira está em obras e pode renascer de forma organizada

O aterro junto ao cemitério de Vila Franca da Beira, concelho de Oliveira do Hospital, que levantou alguma queixa por parte da população, já está, desde Setembro, em fase de limpeza. O presidente da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca, porém, ainda não sabe quando os trabalhos estarão concluídos, nem tem ainda um projecto definitivo para o espaço que é propriedade daquela autarquia. Carlos Maia, contudo, está inclinado para que o terreno continue a servir como aterro.

“É um assunto que ainda teremos de debater com a Câmara Municipal. Não está nada decidido. Mas se for para se manter como aterro terá de ser noutros moldes”, referiu o autarca, mostrando-se até inclinado para que o futuro passe por um aterro para o bem da freguesia. “Tenho medo que se faltar este espaço, as pessoas comecem a fazer despejos por matas e caminhos. Mas terá de existir um protocolo com a Câmara para que sejam feitas recolhas de lixo e quanto aos depósitos feitos pela população terão de ser controlados e com regras para que não se venha a repetir este caos”, sublinhou.10726584_848224318530827_1315649803_n (Small)

“Andei oito anos a chamar a atenção para este caso”

A necessidade desta obra foi uma das críticas que Carlos Maia apontou ao anterior presidente da Junta João Dinis. O actual porta-voz do PCP em Oliveira do Hospital reconheceu que a sua equipa deixou desorganizar aquele espaço, mas acusa também o Município de não ter atendido aos seus apelos. “Andei durante oito anos a falar no assunto, mas não tivemos resposta por parte da Câmara. Tentámos resolver o problema pelos nossos meios, mas das duas vezes que alugamos retroescavadoras os pneus furaram e abandonaram o serviço. Era preciso um buldózer, o que já não tinha os mesmos custos. De resto, quando agora iniciaram este trabalho também tentaram com retroescavadoras e aconteceu o mesmo problema”, explica João Dinis, que, embora assuma as suas responsabilidades, não se cansa de repetir que se o Município lhe tivesse dado ouvidos “a obra ficaria por certo muito mais barata”. “Não teria chegado ao caos a que chegou e não seria necessária uma intervenção tão profunda. Mas nunca tivemos resposta aos vários ofícios”, sublinha.

10735861_848224488530810_622975818_n (Small)João Dinis mostra-se também favorável a que o espaço permaneça como aterro, mas defende a aplicação que poderá ser um projecto que já tinham na altura em que estava à frente da autarquia. “O terreno deve manter-se naquelas funções para evitar que as pessoas comecem a abandonar entulho pelas matas e caminhos. É preciso ter em conta que para ali vinha todo o entulho da Cordinha e até de mais longe. Se não existir pode trazer problemas grandes no futuro. O nosso projecto contempla a divisão em três partes: uma para terra e pedras, outra para plásticos, pneus e borrachas e uma terceira para monos domésticos. E com regras bem definidas”, explica, garantindo que Carlos Maia não fez nada de mais ao conseguir esta obra. “Mau era que durante um ano não fizesse nenhuma obra física”, concluiu.

 

LEIA TAMBÉM

Oliveira do Hospital com 26 novos casos de COVID-19 em três dias e à beira de regressar ao confinamento

O concelho de Oliveira do Hospital conheceu 26 novos casos de COVID-19 nos últimos três …

“Governo despreza aspirações da população e candidatos socialistas locais não hesitam em voltar a dar a cara pelo PS”

A saída do prolongamento do IC 6, entre outras da região, das Obras incluídas no …