Home - Economia - BLC3 vence prémio RegioStars com projecto “Centro Bio: Bioindústria, bio refinarias e bio produtos”

BLC3 vence prémio RegioStars com projecto “Centro Bio: Bioindústria, bio refinarias e bio produtos”

O projecto da BLC3, uma empresa sediada em Oliveira do Hospital, venceu hoje o Prémio da Comissão Europeia RegioStars na Categoria “Crescimento Sustentável: Economia Circular” com o projecto “Centro Bio: Bioindústria, bio refinarias e bio produtos”. O anúncio foi feito hoje na cerimónia de entrega dos Prémios RegioStars 2016, em Bruxelas, um concurso promovido pela Comissão Europeia aberto a todas as regiões da União Europeia que tenham beneficiado de investimentos desde 1 de Janeiro de 2000. Este evento, recorde-se, já distinguiu vários projectos portugueses em anos anteriores.

“Estou especialmente contente por Portugal ganhar o prémio RegioStars numa das categorias. O Centro Bio é sobre reciclagem, uma temática que é muito importante para o nosso planeta e para os nossos cidadãos. Além disso, este projecto mostra que a inovação funciona não apenas nas grandes cidades, mas também nas zonas rurais. E é algo que representa o futuro para todos nós” afirmou a Comissária europeia de Política Regional, Corina Cretu.

“O projeto centro bio foi lançado com o apoio dos fundos estruturais e de investimento. Sem este apoio e financiamento não seria possível chegarmos a este nível. O Centro Bio é uma infra-estrutura tecnológica para desenvolver conhecimento e para desenvolver a solução da resolução dos grandes incêndios florestais”, afirma o presidente da BLC3 João Nunes.

A presidente da CCDR do Centro, Ana Abrunhosa, destacou o facto de este projecto permitir “criar valor e mercado para produtos que hoje não têm valor”, pegando em “sobras agrícolas, matos florestais, produtos de terrenos incultos e resíduos” e transformando-os “em matéria-prima para a bio-refinaria”. “É uma característica muito especial, que torna este projecto querido para nós”, frisa Ana Abrunhosa. A responsável não tem dúvidas de que a sua concretização terá impactos positivos ao nível ambiental e contribuirá para diminuir o problema dos incêndios florestais na região Centro, que concentra “40% da floresta do país” e onde “os terrenos foram sendo abandonados”.

A presidente da CCDR do Centro aponta também a iniciativa em marcha em Oliveira do Hospital como geradora de emprego e como potencial incentivadora do surgimento de “novas actividades económicas e de novos empreendedores”. Algo que, observa, pode ser um contributo importante para fixar população no concelho.

O Centro Bio foi um dos eleitos entre os 23 finalistas de toda a Europa. O projecto da região centro do país, que representa um investimento público-privado de 9,2 milhões de euros, já ganhou três prémios de excelência, deu impulso para a criação de 24 subprojectos de Investigação e Desenvolvimento, viu a criação de quatro spin-offs e de seis novas empresas, bem como de um investimento de 125 milhões de euros (acompanhado pelo Banco Europeu de Investimento). Também apoiou a criação da All – Associação Portuguesa de Bio-economia e Economia Circular, fazendo a ligação entre a sociedade e as partes interessadas, assim como a criação de 38 projetos de empreendedorismo académico, envolvendo 2360 jovens.

O concurso RegioStars é lançado anualmente com o objetivo de reconhecer as boas práticas no desenvolvimento regional e de distinguir os projectos inovadores apoiados pelos fundos da política de coesão da União Europeia que tenham um impacto positivo na vida dos cidadãos. Os critérios de selecção são: a inovação, o impacto, a sustentabilidade e a parceria. Em sintonia com as prioridades da Comissão Europeia, liderada por Jean-Claude Juncker, os projectos distinguidos centram-se no crescimento e investimento, através de políticas visionárias que conduzam a um crescimento económico inteligente, sustentável e inclusivo.

Vários projectos portugueses foram já distinguidos com este prémio em anos anteriores. Em 2014, o projecto “Art on Chairs” venceu a categoria de crescimento inteligente; em 2013, na mesma categoria, foi a vez do UPTEC – Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto e de Portrait; e em 2011, o projecto do Funchal CIVITAS MIMOSA arrecadou o prémio na categoria de CityStar, Transportes Urbanos Limpos Integrados.

 

LEIA TAMBÉM

Chega de Oliveira do Hospital vai recolher rapidamente o seu material de campanha em nome do ambiente

A concelhia do partido Chega de Oliveira do Hospital, concorrente ao acto eleitoral de domingo, …

Fernando Tavares Pereira considera “falsas e graves acusações” de Mário Almeida no caso do Centro de Exames de Condução de Tábua

Fernando Tavares Pereira desafiou o ainda presidente eleito pelos socialistas da Câmara Municipal de Tábua, …