Home - Últimas - Caçadores contra proibição repentina da caça à rola-comum

Caçadores contra proibição repentina da caça à rola-comum

As Organizações do Sector de Caça (OSC) de 1.º nível repudiaram hoje a decisão do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) de proibir a caça à rola-comum e exigiram compensações para as zonas de caça. As OSC criticam o ‘timing’ da decisão, que foi anunciada a estas entidades por correio electrónico a duas semanas da abertura de caça, “sem qualquer consulta e discussão com as partes interessadas”, depois de no passado dia 10 de Maio ter sido publicada uma portaria que previa a permissão de caça a esta espécie nos dias 15 e 22 de Agosto e nos dias 05 e 12 de Setembro de 2021, durante o período da manhã, até às 13h00.

“Uma decisão destas nunca poderia ter sido tomada unilateralmente, sem qualquer consulta e discussão com as partes interessadas”, acusaram as OSC de 1.º nível, considerando a decisão “uma falta de respeito e de lealdade para com os parceiros do sector da caça e para com todos os caçadores portugueses e entidades gestoras de zonas de caça”. Por comparação com França e Espanha, os caçadores portugueses defenderam que estes países também implementaram ‘quota zero’ de caça à rola comum, mas que geriram o processo com maior antecedência e em articulação com as organizações do sector.

Sublinhando os “investimentos avultadíssimos” realizados pelas zonas de caça para gestão específica para a caça à rola-comum, a marcação e venda de caçadas, programação de viagens e reserva de hotéis, as OSC vincam que os prejuízos decorrentes da proibição “é algo pelo qual o Estado português tem que se responsabilizar”.

Paralelamente, denunciam a vontade do Estado de utilização do apoio de 4 milhões de euros que tinha sido anunciado anteriormente como ajuda devido à pandemia de covid-19 nos prejuízos que agora dizem estar em causa com esta decisão. “Importa ter em conta que esse apoio já era escasso para os prejuízos causados pela pandemia, pelo que os prejuízos acrescidos que são causados por esta proibição da caça à rola, nos termos em que ocorreu, obrigam necessariamente a criar um outro mecanismo de compensação para as zonas de caça lesadas”, pode ler-se ainda na nota divulgada.

“Decréscimo significativo” das populações leva a suspensão temporária da caça

A caça à rola está proibida de forma temporária na época de 2021/22 em Portugal, depois de se revelar um “decréscimo significativo” das populações daquela espécie protegida, divulgou o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. “Em linha com os países da União Europeia abrangidos pela rota migratória ocidental, Portugal proíbe transitoriamente a caça à rola-comum na época venatória de 2021-2022”, adiantou a entidade em comunicado.

De acordo com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), Portugal, em articulação com as organizações do sector da caça (OSC) e organizações não governamentais do ambiente (ONGA), tem vindo, ao longo dos últimos anos, a implementar restrições à caça da ave, quer reduzindo os limites diários de abate, quer reduzindo drasticamente o número de dias de caça.

O ICNF explica que os estudos da União Europeia (UE) “conduziram ao desenvolvimento de um plano de acção internacional para a conservação da rola-comum, a implementar até 2028, bem como um modelo de gestão de caça adaptativa”.

LEIA TAMBÉM

Um ferido grave em despiste no Carregal do Sal

Um homem, de 25 anos, ficou gravemente ferido após despiste do carro que conduzia em …

Rui Rio acredita na conquista da CM de Oliveira do Hospital e Francisco Rodrigues fala em “dinâmica de vitória irreversível”

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital é uma das autarquias que o presidente do …