Home - Destaques - Câmara e Turismo do Centro desafiam operadores turísticos a aproveitar verbas do próximo Quadro Comunitário

Câmara e Turismo do Centro desafiam operadores turísticos a aproveitar verbas do próximo Quadro Comunitário

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Dezenas de operadores turísticos de Oliveira do Hospital e da região tomaram, esta manhã, conhecimento das possibilidades de financiamento previstas no próximo quadro comunitário. A ideia é  aproveitar as verbas disponíveis e dar maior vitalidade a “uma atividade que está em crescimento contínuo e consolidado”.

Às portas de um quadro comunitário que “inscreve o Turismo como um dos eixos diferenciadores”, o município de Oliveira do Hospital e o Turismo do Centro de Portugal, informaram, esta manhã, os operadores e potenciais empresários do setor acerca dos novos instrumentos financeiros de apoio, como sendo a “Iniciativa Jessica” e o “Fundo Revitalizar Centro”.

Presente na abertura da sessão – que contou com a participação de Rui Soeiro, Caixa Geral de Depósitos, e Luís Quaresma, Oxy Capita e de José Manuel Esteves, diretor geral da AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal – o presidente do Turismo do Centro de Portugal considerou ser este “o período mais fértil para acesso à informação e calendarização dos investimentos”.

Pedro Machado falava assim a a propósito de um quadro comunitário que estás prestes a findar e de um novo quadro que se revela favorável à atividade turística que “está em crescimento contínuo e consolidado”. “Prevê-se que entre 2010 e 2013 possa crescer entre os dois e os três por cento ao ano, o que revela que teremos 1,8 mil milhões de cidadãos em todo o mundo que, em 2030, procurarão o turismo”, referiu satisfeito Pedro Machado, notando que atualmente a atividade representa “mais de nove por cento do Produto Interno Bruto” e “trará desenvolvimento às nossas comunidades”. Um caminho só possível pela “aposta forte na comercialização” e pelo incremento da iniciativa privada que, ainda que apoiada, “deve ser ela própria a dinamizar a sua atividade” por via da “criação de valor”. No que à realidade oliveirense diz respeito, Pedro Machado tem a identificar os “custos de contexto” que, no imediato, associa à falta de acessibilidades. Ainda assim o responsável mostra-se otimista quanto ao próximo quadro comunitário que “será uma oportunidade” para o setor do turismo.

 “A Câmara não quer substituir os empresários, quer apoiar a iniciativa privada”

“É uma vergonha que tenhamos estas acessibilidades ”, criticou de igual modo o presidente da Câmara Municipal que não querendo deixar de associar Oliveira do Hospital à marca Serra da Estrela, critica o estado dos acessos na parte Norte da Serra. Uma situação que, na opinião de José Carlos Alexandrino, não se compadece com a dinâmica empresarial do concelho e de uma “força de exportação à volta de 300 milhões de Euros por ano”. “Também dificulta na área do turismo”, alertou o autarca que, enquanto vice presidente da CIM da Região de Coimbra partilhou aquela que é a preocupação dos municípios nas áreas do turismo e floresta. Avisou por isso das verbas que o próximo quadro comunitário reserva para aquelas áreas, pelo que “todos devem estar atentos” no sentido de as aproveitar.

Um trabalho que o autarca espera facilitar com a criação de uma equipa no seio do município destinada a apoiar na “área da obra física” e de “criação de planos de negócios”. “A Câmara não quer substituir os empresários, quer apoiar a iniciativa privada”, afirmou, ao mesmo tempo que defendeu uma aposta turística “em rede”. “Não acredito que um concelho sozinho desenvolva o turismo”, afirmou, considerando acertada a ideia da Rede das Aldeias do Xisto. Por cá, José Carlos Alexandrino assegura estarem reunidas as condições para avançar com a requalificação da Zona Histórica “neste mandato”.

No arranque da sessão, o presidente da União de Freguesias de Oliveira do Hospital e S. Paio de Gramaços partilhou o sucesso da iniciativa lançada há quatro anos, “Há Festa na Zona Histórica”, organizada com recurso a fundos comunitários, pensada para “alertar, sinalizar e incentivar à sua regeneração”. “Não é mais uma festa”, assegura Nuno Oliveira , considerando tratar-se de um evento que faz passar “15 mil pessoas” pela zona histórica oliveirense, onde espera um dia poder pôr em prática um conceito que não é novo, mas que se tem revestido de grande sucesso em Itália, que dá por nome de “albergue difuso”.

LEIA TAMBÉM

Autárquicas deste ano com menos cerca de 90 mil eleitores que em 2017

O diploma publicado hoje em Diário da República, com dados obtidos através da base central …

Buscas por criança desaparecida concentradas na zona onde foram encontradas pegadas

As buscas pelo menino com dois anos que desapareceu ontem de manhã, em Proença-a-Velha (concelho …