Home - Destaques - Carlos Maia vai a votos com o objetivo de manter o PS à frente dos destinos do concelho

Carlos Maia vai a votos com o objetivo de manter o PS à frente dos destinos do concelho

Carlos Maia prepara-se para suceder José Francisco Rolo na liderança do PS de Oliveira do Hospital. A encabeçar uma lista única que vai a votos no próximo sábado, o conhecido militante propõe-se a manter o partido à frente dos destinos do concelho.

“O futuro está nas nossas mãos”. Assim entende Carlos Maia, o militante do PS e autarca de freguesia, que no próximo sábado, 14 de dezembro, se submete a sufrágio com o objetivo de dar continuidade ao trabalho que nos últimos oito anos teve a assinatura de José Francisco Rolo e do qual resultaram duas vitórias eleitorais autárquicas, a última das quais, numa esmagadora maioria.

Conquistas que o candidato, em lista única, à presidência da Comissão Política Concelhia do PS não quer deixar cair, revelando-se apostado em fazer com que o partido continue a ser poder em Oliveira do Hospital. A seu favor, Maia entende ter o atual panorama político, fruto da confiança que o PS granjeou junto dos oliveirenses. “Nunca o PS teve tantas condições para se afirmar neste concelho, como tem neste momento”, considera o destacado militante socialista, notando que para isso valeu uma postura de trabalho de porta aberta à sociedade civil e as apostas “acertadas” em José Carlos Alexandrino para a Câmara Municipal, António Lopes para a Assembleia Municipal e os restantes candidatos às Juntas de Freguesia.

“Isto traz-nos uma grande responsabilidade”, entende Carlos Maia que prestes a assumir a liderança do partido encara o caminho trilhado pelos adversários – “têm sido notícia na Comunicação Social pelas piores razões”, verificou – como aquele que não deve ser seguido pelo PS, que deve antes “continuar a ser um partido unido e aberto à população”.

Reconhecendo que o trabalho feito pelo presidente da Câmara e vereação no anterior mandato – “não negaram esforços ao concelho”, referiu – foi determinante para a expressiva vitória eleitoral conseguida pelo partido no passado mês de setembro, Maia entende que deve ser esse o caminho a seguir para “garantir o futuro do PS no concelho”.

Equipa renovada e comissões de trabalho

De olhos postos naquele propósito, Maia garante ter chamado a si “militantes com grande experiência e passado político”, bem como “gente nova capaz de trazer ideias e contributos”. “Esta lista tem alguma renovação para o futuro”, refere o candidato que, desta forma, pretende que a Comissão Política possa atuar em vertentes “fundamentais”, como são a saúde (falta de acompanhamento médico nas periferias do concelho), educação (mega agrupamento escolar e ESTGOH) e o desenvolvimento económico do concelho ( reivindicar melhores condições para os empresários e potenciar a fixação de jovens). Para o efeito, Maia prepara-se para criar no seio da Comissão Política grupos de trabalho destinados a tratar cada uma das áreas. “Vamos criar comissões de trabalho”, explicou o candidato, que desta forma procura um maior envolvimento dos militantes na vida da Comissão Política, com o objetivo de também os responsabilizar na procura de soluções.

“Sempre estive habituado a trabalhar em equipa e é esta prática que deve acontecer em qualquer organização”, entende Carlos Maia que, ao mesmo tempo, defende uma maior aproximação às concelhias socialistas do distrito e também às vizinhas concelhias de Seia e Gouveia, por exemplo. “Há interesses que são comuns”, refere o candidato aludindo ao prolongamento do IC6 e IC7, para cujo desbloqueio Maia entende fundamental a criação de um lóbi a nível da região, porque “só falando a uma só voz, pode haver alguém que nos ouça”.

Também autarca de freguesia – o candidato preside à União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca da Beira – Maia propõe-se igualmente a um maior acompanhamento aos eleitos nas últimas autárquicas. “Temos 13 freguesias na nossa mão”, observa, considerando importante que os autarcas “vejam que o PS é um partido preocupado com as terras deles”.

De um modo geral, o que Maia defende é a continuidade de um trabalho centrado nas pessoas, que devem sentir que “somos sérios, dignos e preocupados com o futuro deste concelho”.

“Temos que saber lidar com a realidade de que somos o maior partido de Oliveira do Hospital”

De saída da liderança do partido por força dos estatutos, José Francisco Rolo aplaude a candidatura de Carlos Maia que acredita “vai servir bem o concelho”. “Faz parte da velha tradição da ética, dos princípios e dos valores e, por isso, é que conseguiu fazer lista una, consensual e ao serviço do concelho”, refere o ainda líder dos socialistas, revelando-se honrado pelos oito anos que esteve à frente do partido e onde primou por uma política de “abertura” à sociedade civil.

“As pessoas ouviram-nos e encontraram no PS um referencial de responsabilidade e estabilidade”, diz José Francisco Rolo, satisfeito por ter tido a “sorte” de José Carlos Alexandrino aceitar a candidatura à Câmara e o partido ganhar as eleições. “Foi uma medida inteligentissíma”, entende José Francisco Rolo, certo de que “o PS só é grande” se continuar a política de “abertura à sociedade civil”. Um trabalho que acredita que vai ser seguido por Carlos Maia, até porque “nas última eleições o partido valeu mais de oito mil votos e não podemos defraudar as expectativas”. “Temos que saber lidar com a realidade de que somos o maior partido de Oliveira do Hospital”, sublinha.

LEIA TAMBÉM

Vereadores do Unidos por Celorico votam contra subsídio para associação sediada em Gouveia

Os vereadores do movimento Unidos por Celorico, liderado pelo PS, José Albano e Teresa Cunha, …

GNR deteve suspeito de violência doméstica e posse ilegal de armas no concelho de Celorico da Beira

Um homem, de 50 anos de idade, foi detido no concelho de Celorico da Beira …