Home - Sociedade - Caso do “Café Central” só chega a tribunal em setembro

Caso do “Café Central” só chega a tribunal em setembro

Ainda não é neste mês que o caso do Café Central começa a ser resolvido em tribunal. A primeira sessão do julgamento já foi alvo de dois adiamentos, estando agora marcada para o dia 19 de setembro, no Tribunal da Comarca de Oliveira do Hospital.

Em causa está um processo polémico que envolve a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital e a empresa Fertavending, depois desta última ter entrado em incumprimento no pagamento das rendas de utilização do Café Central, propriedade da autarquia.

Sem conseguir receber o valor de 15 meses de rendas, a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital avançou com ação em tribunal, no início de 2012, contra a Fertavending, empresa que no final de 2011 rescindiu contrato de exploração do espaço alegando “justa causa”.

Com lugar a várias tentativas de acordo que se revelaram infrutíferas, a decisão em torno do polémico caso fica agora nas mãos do juíz que vai presidir ao julgamento.

Refira-se que em causa está o incumprimento no pagamento de rendas de exploração do espaço que, à data de rescisão totalizava o montante de 27 686,88 Euros. Uma dívida que o empresário sempre justificou com erros de construção do espaço e que se traduziam em infiltrações no interior do café. Problemas que, segundo Nuno Pereira, conduziram à “perda de clientela” e à acumulação de prejuízos que, inevitavelmente, o levaram à rescisão do contrato, que terminava em agosto de 2012.

As queixas relativas às más condições do café central foram conhecidas logo após o início de exploração do espaço, tendo o atual executivo procedido a uma intervenção destinada a pôr fim aos problemas de infiltrações. Trabalhos que não convenceram Nuno Pereira que, como forma de minimizar prejuízos, conseguiu da parte da autarquia o congelamento de seis meses de renda em dívida. Contudo, alegando continuados prejuízos decorrentes de infiltrações no café, o empresário não interrompeu o incumprimento, avançando mesmo com pedido de indemnização de perto de 30 mil euros, equivalente a 16 meses de renda.

LEIA TAMBÉM

GNR deteve traficante de estupefacientes no concelho de Oliveira do Hospital

A GNR deteve ontem um homem de 32 anos por tráfico de estupefacientes e posse …

O Tabuense e Maavim entregam primeiras ajudas à Santa Casa da Misericórdia de Tábua

O jornal “O Tabuense” e o Movimento Associativo Apoio Vítimas Incêndio Midões (Maavim) deram hoje …