Home - Opinião - Crónicas de Lisboa: “Identificar os Sintomas de um Enfarte e Agir é Vital”. Autor: Serafim Marques
Young adult man suffering from severe chest pain.

Crónicas de Lisboa: “Identificar os Sintomas de um Enfarte e Agir é Vital”. Autor: Serafim Marques

No nosso país, as doenças cardíacas são a principal causa de morte, isto é, morremos muito de doenças do
coração, apesar de todas as campanhas de prevenção que as autoridades de saúde vão desenvolvendo.
Assim, se as pessoas levassem a prevenção mais a sério e soubessem identificar os sintomas de Enfarte
Agudo do Miocárdio (EAM) e do AVC (Acidente Vascular Cerebral) muitas vidas poderiam ser salvas.
Grande parte das mortes provocadas por EAM ou de AVC ocorrem fora dos hospitais e, normalmente,
por tardia assistência médico hospitalar devido não apenas à falta de meios de assistência mas por
ignorância das próprias vítimas e ou de quem com elas está nesse momento. Identifiar, pois os sintomas
que o paciente está a sentir quando se inicia o EAM e agir rapidamente é VITAL, isto é, faz a diferença
entre a morte e a sobrevivência a esses terríveis “ataques” (do coração ou no cérebro). Eu, que fui
vitimado por um EAM aos 46 anos de idade, na altura com um completo desconheciemento do que era
um EAM e os respectivos sintomas (ocorreu outro aos 52 anos, mas nesse caso já era “mestre” no
conhecimento) não me canso de elucidar as pessoas e a recomendação que tento transmitir, é : AJA mais
rápido do que um ENFARTE e ligue, mas ligue logo, para o 112 que este serviço da PSP encaminhará a
chamada para o INEM. Chegar vivo ao hospital, enquanto sofre ou está a sofrer um EAM ou um AVC, é
vital. Sei do que falo e apesar desta dupla fatalidade, que de facto é grave, apesar dos “ignorantes”
julgarem que é como “partir uma perna”, “tive sorte”, porque AGI. Há tempos, dizia-me o meu cardiologista,
ainda jovem e para me sossegar dos meus medos da morte, por EAM, que há vinte e três anos eu corri o risco de
influenciar, negativamente, a estatística da esperança média de vida (EMV), pois o primeiro EAM que me vitimou
poderia ter sido fatal. Enfatizou, como se eu já não soubesse, que este tipo de patologia é considerado uma doença
grave, pelo que o tempo que eu já vivi, após aquele episódio e apesar de ter tido outro seis anos depois, faz com que
os meus atuais sessenta e nove anos já me aproximem mais da EMV. Aquela observação e dita assim, senti-a como
um “prémio”, mas também como um castigo, pois ainda me faltam alguns anos para entrar na EMV dos homens no
nosso país (a esperança de vida à nascença atingiu os 77,78 anos para os homens e de 83,43 para as
mulheres). Para esta média estatística contribuem os valores dos extremos, isto é, gente que atinge idades
provectas, que eu gosto de chamar “bonita idade”, mas outros que morrem prematuramente, e alguns pela chamada
“morte súbita” que é um EAM fulminante. Teria sido o meu caso, se, naquele fim de dia, não tivesse corrido para a
urgência do hospital da minha zona, apesar de, na época, não saber o que era um enfarte do miocárdio. A rapidez
da (minha) ação e da assistência hospitalar, salvou-me a vida, pois a conjugação destas duas etapas pode significar
a diferença entre a vida e a morte prematura nas doenças cardiovasculares.

De vez em quando, chegam-nos notícias de “figuras públicas” com problemas graves das doenças cardíacas e que
nos deixam um pouco surpreendidos, assustados e tristes. Casos recentes: i) do futebolista Iker Casillas que, com
37 anos, sofreu um EAM em pleno treino da sua equipa, mas foi prontamente socorrido pelo médico da equipa, ali
presente, e que sabendo identificar os sintomas, agiu rapidamente e providenciou para levar o guarda-redes
espanhol para uma unidade hospitalar privada onde lhe prestar uma assistência “topo de gama”, não acessível à
maioria dos cidadãos . Contudo, acabou a sua atividade profissional de futebolista, porque as mazelas do EAM são
reais e limitativas a esforços acima do normal. ii) do nosso Presidente da República cujos médicos desconfiaram
duma obstrução das coronárias, que são elas as causadoras do EAM, e o submeteram a uma angioplastia no
HSCruz, (o “meu” hospital cardíaco) vulgo cateterismo, para desobstruir a “veias” e, assim, evitar um enfarte
posterior. Ele tem setenta anos; iii) da actriz Maria Rueff, de 47 anos, que, sentindo-se mal, em pleno trabalho,
pediu a um amigo que a levasse às urgências do HSJosé, tal como eu o fiz em Janeiro de 1996 (eu fui de táxi, não
recomendado nestas situações), e foi depois transferida para Cardiologia de um dos hospitais de referência, o
HSMarta, por onde eu passei aquando do meu primeiro EAM. Ao contrário do que me aconteceu a mim, em janeiro
de 1996, pelo facto da Cardiologia ter dado “saltos de gigante”, nestes últimos vinte anos, foi-lhe feito imediatamente
uma angioplastia para desobstruir a coronária, que, como atrás se disse, é ela a causadora do EAV. Tal como o
Casillas e como eu, a vida não volta a ser a mesma, quer por causa da lesão, irreversível no músculo do miocárdio,
quer porque a vida tem que passar a ser diferente e isso “pesa” e de que maneira. Não são apenas os fármacos que
passamos a tomar para combater os fatores de risco que causaram a doença coronária (deterioração das artérias
coronárias causadoras da lesão a jusante no miocárdio), mas um “sofrimento psicológico” que passamos a carregar
connosco. Pode esse “medo” afetar a nossa qualidade de vida, mas esquecê-lo pode ser uma má opção na
sobrevivência e no prolongamento duma vida que foi fortemente ameaçada por um EAM que é, repito, GRAVE.

Negligenciar esse “medo” (que é o que guarda a vinha) pode ter um mau fim, isto é, a morte real muito abaixo da
tal EMV citada atrás.

Somos todos “bombardeados” com as campanhas de sensibilização, quer dos fatores de risco, quer do agir que
poderá salvar vidas, mas “assobiamos para o lado”, até ao dia em que nos toca a nós ou a um familiar. Às vezes, é
tarde, demasiado tarde. Sofri o meu primeiro EAM porque tinha os chamados fatores de risco, apesar de para
alguns já tomar medicação ter cuidados nesse sentido. E o segundo, ocorrido no meu próprio gabinete de trabalho,
ao contrário do primeiro ocorrido em casa a um domingo à noite, (os fins de semana e férias são, por vezes,
momentos propícios a desencadearem um EAM) , porque não “mudei de vida profissional”, isto é, continuava a
sofrer o stress profissional que se juntava a outros fatores de risco.É importante chamar a atenção para o quão
importante é preciso estar alerta nas mulheres, porque muitas vezes estas não agem tão rapidamente como
os homens. Os ataques cardíacos são a primeira causa de morte em mulheres, pricipalmente naquelas que
fumam e tomam a pílula e mais ainda a partir da idade da menopausa porque perdem um “benefício” que os
homens não têm, isto é, a “substituição” do sangue pela menstruação (estudos indicam que os dadores de
sangue-que até foi o meu caso-estão menos sujeitos a um EAM). Dores no peito, em forma de pressão, e
uma falta de ar persistentes são os principais sinais de alerta, mas não tão nítidos como nos homens.

Com este meu testemunho, reforçado nos exemplos de “figuras públicas” aqui citadas e outras que
poderiam ser também, e porque sou um “missionário” na sensibilização deste importante tema, espero
que a percepção do “prevenir e do agir” desta area tão importante como é aquela máquina tão perfeita
como é o nosso coração, contribua para a diminuição de mortes prematuras e da melhoria da qualidade de
vida. Custará entender isto? O “preço a pagar” por esse deixa andar pode ser muito alto.

Autor: Serafim Marques, Economista (Reformado)

 

LEIA TAMBÉM

O mistério do presidente sumido na noite das eleições. Autor: Carlos Martelo

A noite das eleições, e para além dos resultados. Foi estranho muito estranho. Lembram-se que …

CDU mantém a Junta de Freguesia de Meruge e Nogueirinha e aumenta votação para a Câmara. Autor: João Dinis

A CDU mantém a freguesia de Meruge (com Nogueirinha) com maioria absoluta de 4 eleitos …