Home - Opinião - “Delação” com “delação” se paga…passe a expressão.  Ou as “rasteiras institucionais” do Presidente da República e do Primeiro-Ministro… Autor: João Dinis

“Delação” com “delação” se paga…passe a expressão.  Ou as “rasteiras institucionais” do Presidente da República e do Primeiro-Ministro… Autor: João Dinis

Lembrar que há tempos o Presidente da República ficou “irritado” por saber através da comunicação social da, na altura, ainda pré-proposta de elenco ministerial do actual Governo.  Obviamente para mim, que não sou ingénuo, a fuga de informação – ainda por cima para o jornal “Expresso” – saiu como uma “fuga” aberta pela entidade, o Primeiro-Ministro, que mais e mais antecipadamente sabia acerca desse mesmo elenco governativo que é ele quem escolhe os ministros a propor ao Presidente da República e etc…

Agora, recebe a paga do Presidente da República que divulga aos jornalistas – desde Timor! – que o Primeiro-Ministro vai à Ucrânia em breve, antecipação tipo “fuga” de informação que o Primeiro não queria fazer…

Enfim, e assim se entretêm estes senhores a “rasteirarem-se” um ao outro e ainda que ambos digam que não…  E nós a pagar as “facturas”!

Perguntar não ofende:

Como é, senhor Santos Silva, agora Presidente da Assembleia da República com a sua, ao que parece, iminente ida à Ucrânia? Se lá for, vai ou não perguntar a Zellensky e ao presidente do Parlamento Ucraniano o que aconteceu aos Deputados Ucranianos dos vários partidos ilegalizados na Ucrânia a pretexto da guerra e mesmo já antes da guerra?

 Sim, tem pouco tempo para responder a esta questão a qual não pode pretender ignorar enquanto Presidente da Assembleia da República de Portugal.  E caso entenda que uma pergunta dessas possa ser considerada como “ingerência nos assuntos internos” de outro País soberano, então não vá à Ucrânia, agora nesta situação em que aquilo que mais interessa é conquistar a PAZ e não acirrar a guerra ainda mais!

E, deixemo-nos de tretas, entrar no actual Parlamento Ucraniano e fazer de conta que não sabe da ilegalização de várias dezenas de Deputados assim afastados do seu Parlamento pelo regime de Zellensky (e “clique” antecessora), é fazer como o “outro” que gosta de ser o último a saber…sem ofensa para Vossa Excelência, claro.

 

 

Autor: João Dinis, Jano

LEIA TAMBÉM

“Hoje dói-me o joelho, amanhã deve chover”. Autor: Dr: Hugo Lopes

Todos temos aquele amigo que adivinha a meteorologia pelas dores que tem no joelho ou …

Seca? A água “planta-se”. Autor: Nuno Tavares Pereira

Estamos num ano de seca. Desde o início do ano que temos ouvido falar nisso. …