Home - Últimas - Deputados do PS rejeitam proposta do PSD para construção da maternidade de Coimbra
Fátima Ramos deputada do PSD por Coimbra

Deputados do PS rejeitam proposta do PSD para construção da maternidade de Coimbra

O PSD apresentou uma proposta de aditamento ao Orçamento do Estado para 2022, que visava incluir a construção da nova Maternidade de Coimbra no plano de investimentos em novas unidades de saúde, devendo o processo concursal ser lançado até ao final de 2022. Todos os grupos parlamentares votaram a favor, com excepção do Partido Socialista, o que foi o suficiente para afastar aquela unidade de saúde do Orçamento de Estado. Os sociais democratas acusam o Governo de ter um discurso que não corresponde à realidade e não tem intenção de avançar com a obra.

“Recorde-se que o início da construção desta unidade foi autorizado em 2016, pelo então ministro da Saúde. Em Abril de 2018, perante a ausência de obra, o PSD questionou o Primeiro-ministro sobre a divulgação do relatório do projecto prévio à construção, tendo António Costa respondido que ‘o senhor ministro da Saúde reviu em alta a sua previsão, diz que daqui a 15 dias lhe entrega o relatório e que amanhã irá a Coimbra precisamente discutir com a administração da maternidade o calendário da execução dessa obra’”, refere uma nota dos sociais democratas.

O PSD insiste que em Junho de 2019, a ministra da Saúde, Marta Temido, referiu, em visita a Coimbra (circulo pelo qual foi eleita), que a tutela tinha recebido “muito recentemente” uma proposta do Conselho de Administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) que apontava para uma solução dentro do perímetro dos Hospitais da Universidade de Coimbra. Cinco meses depois, a ministra falou sobre a questão na Assembleia da República, referindo que a única questão que inibe o Governo de avançar com esse projecto é a indefinição quanto à localização da nova maternidade. “Recebemos anteontem os resultados sobre os estudos conclusivos sobre esse tema e, portanto, essa decisão vai ser agora tomada”, continua a nota.

Finalmente, continuam os sociais-democratas, na campanha para as eleições legislativas, António Costa afirmou que todos os problemas estavam resolvidos e comprometeu-se que “a partir do dia 27 [de Setembro], doa por onde doer, não podemos levar mais do que três semanas a resolver o problema”.

“Neste momento, apesar da narrativa do governo, a obra ainda não foi iniciada, nem parece estar nos planos do governo, dado o bloqueio do Partido Socialista à sua introdução no articulado da lei de Orçamento do Estado para 2022”, remata a missiva do PSD.

 

LEIA TAMBÉM

CM de Seia distinguiu os melhores alunos do concelho com um diploma e um cheque de 300 euros

A Câmara Municipal atribuiu hoje prémios aos melhores alunos de cada nível de ensino no …

Fernando Tavares Pereira diz estar a ser vítima de discriminação

Limpezas das ruas no Coito, Midões, concelho de Tábua, são….cirúrgicas “Há uma discriminação total na …