Home - Outros Destaques - Direito de resposta

Direito de resposta

Exmo Sr. Diretor do Correio da Beira Serra

Ao abrigo do Direito de Resposta consignado na Lei de Imprensa (art. 24.º e 25.º) e em consequência de ser visado na notícia que esse jornal online publicou sob o título“Câmara repara pequeno caminho que dá acesso a quinta de membro do PS na AM e a ligação Parente –Tapada permanece esquecida”,impõe-se o esclarecimento dos factos, pelo que solicito a publicação desta carta na edição online do Correio da Beira Serra.

Se o autor da notícia publicadanesse jornal, tivesse o cuidado de me contactar a mim ou à Câmara Municipal de Oliveira do Hospital (CMOH), com vista a exercer o direito do contraditório e conforme era seu dever deontológico, teria tido a oportunidade de perceber os factos que agora lhe relato, ao invés de editar uma notícia falsa e que induz os leitores em erro. Não o fez. Lamento, porque prestou um mau serviço ao jornalismo e aos seus leitores.

Nunca fiz nenhum pedido para que o caminho florestal contíguo à minha propriedadefosse alcatroado, nem nunca a CMOH me manifestou tal vontade;

Ao contrário do que insinua na notícia, invocando irresponsavelmente a minha qualidade de deputado municipal do PS, a pavimentação do caminho referido foi solicitada, conforme poderá verificar através do ofício e das fotosque anexo (requeri o processo à CMOH na qualidade de deputado municipal), pela EP – Estradas de Portugal, que num ofício dirigido ao Sr. Presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, datado do dia 7 de Maio do corrente ano, recomenda a regularização da situação através da pavimentação do caminho florestal porque poderá “potenciar situações de perigo para a circulação e segurança rodoviária, bem como afectar as propriedades contíguas”;

Como qualquer pessoa de bom senso perceberá, contrariamente ao que a notícia pretende propagandear não há neste processo nenhuma situação de favor político, mas antes o cumprimento de uma exigência da EP – Estradas de Portugal, S.A, porque estava em causa um problema de segurança rodoviária, dado o arrastamento de terras e outros materiais para a Estrada Nacional 230.

 

José Ferreira Cruz Loureiro

Alvoco das Várzeas, 12 de Agosto 2014

Nota da direcção: Ao contrário daquilo que é afirmado na carta, o Correio da Beira Serra procurou ouvir a versão da autarquia que não se mostrou disponível para falar.

ESTRADAS DE PORTUGAL OFICIO (1)

 

LEIA TAMBÉM

Oliveira do Hospital com praias para receber 760 banhistas, com Avô a liderar com 410 espaços

O Governo publicou hoje a capacidade de ocupação das praias para a época balnear 2021 …

Bebé nasceu na ambulância dos Bombeiros Voluntários de Lagares da Beira

Os Bombeiros Voluntários de Lagares da Beira auxiliaram hoje o nascimento de uma criança quando …