Home - Opinião - «Entro na Câmara de fininho e sem especiais evidências. Saio a falar grosso e gestor de uma empresa lubrificada com dinheiros públicos». Autor: Carlos Martelo

«Entro na Câmara de fininho e sem especiais evidências. Saio a falar grosso e gestor de uma empresa lubrificada com dinheiros públicos». Autor: Carlos Martelo

Eis uma história de sucesso.

Um dia, nos idos de 2009, os astros da política conjugam-se e permitem que eu entre de fininho e sem especiais evidências como eleito numa dada Câmara Municipal. Cai-me no colo o lugar de Presidente da Câmara.  Não hesito e ano após ano, construo uma reputação de «bom homem» e assim sucedo-me a mim próprio no posto. Gosto do poder e fotografo-o para me remirar nele.  As pessoas acreditam em mim. Sou assim como que um predestinado.

Considero-me tão bom nestes campeonatos que me convenço disso mesmo. O Presidente da Câmara sou eu e não admito contestações! Quem não for por mim é contra mim, pois claro.  E, notem, eu sou um democrata. O que faria se não o fosse… Alcunham-me de «Beato» e, aviso, isso causa-me urticária, nervoso miudinho pois lá no fundo essa alcunha também encerra uma crítica social, mesmo política. Que grande atrevimento.

Aproxima-se o fim do meu campeonato pessoal enquanto Presidente da Câmara.  Estou seguro em que venci.

E como vencedor outorgo-me do direito de ter algumas vantagens. Então, eu e mais uns patrícios «inventámos» uma certa «empresa intermunicipal».  A minha Câmara e as outras duas «sócias» entram com a maquia para a constituição desta «empresa intermunicipal».  Ao todo são mais de 6 milhões de euros.  Se fosse para saírem tantos euros dos nossos bolsos, se fôssemos empresários a lidar com os nossos dinheiros, não tínhamos nada disso nem sequer parecido.  Mas eu e os outros dois Presidentes de Câmara temos os dinheiros e os patrimónios públicos – das nossas Câmaras – para somar e juntar nesse «bolo intermunicipal» que aliás é apetecível… que vai ser apetecível…

E eu, que sou o maior, eu mando! E mando bem. Outorgo-me imediatamente do lugar de Presidente do Conselho de Administração da tal «empresa intermunicipal».  Preparo-me para lá continuar ainda que no futuro próximo não possa voltar a ser Presidente de qualquer das três Câmara Municipais. Mas agora ainda sou Presidente de uma dessas Câmaras e, por isso, uso do meu poder e faço decidir preferencialmente consoante a minha própria vontade e os meus próprios interesses.

Eu já estou aposentado da minha profissão-profissão e tenho uma reforma muito razoável.  Mas não sou parvo.  Se continuar como Presidente do Conselho de Administração da «empresa intermunicipal» posso vir a auferir um vencimento bem encorpado, bem compensador de tanta canseira.  Mas travem aí já qualquer insinuação maledicente.  É que tenho feito o meu trabalho como autarca desinteressadamente, sem pensar em benefícios pessoais. Se vier a auferir um vencimento chorudo como Administrador na «empresa intermunicipal» que eu próprio também inventei, isso será pura coincidência. Pura coincidência, ouviram bem?!

Ora, aí se deu forma escrita a um monólogo sobre o eu e os outros, sobre aquilo que é meu e aquilo que é dos outros.

A trama é assim:

– «Entro na Câmara de fininho e sem especiais evidências.  Saio da Câmara a falar grosso como gestor remunerável de uma empresa lubrificada com dinheiros públicos».

Infelizmente, é já mais uma das histórias «do costume» !

 

Autor: Carlos Martelo

LEIA TAMBÉM

Itinerário Complementar nº 6 – o IC 6.  Atenção que a propaganda vai continuar!… João Dinis

Ora aí está uma Obra com interesse para o nosso Concelho e para a Região.  …

Nuno Tavares Pereira: “José Carlos Alexandrino não cumpriu praticamente nada do que prometeu”

Nuno Tavares Pereira fala sobre as obras que saíram do PRR e considera que não …