Home - Destaques - “Escola + Feliz” resolve lacuna educativa em Oliveira do Hospital

“Escola + Feliz” resolve lacuna educativa em Oliveira do Hospital

Pensado para consolidar aprendizagens antes de cada ano letivo, o projeto “Escola + Feliz” evoluiu para um patamar superior. O conceito deu corpo a uma equipa multidisciplinar de intervenção no espaço escolar.

Psicólogos, assistentes sociais, técnicos superiores de educação, docentes de educação especial e terapeutas da fala estão, desde a passada quarta feira, ao dispor das escolas do concelho de Oliveira do Hospital com o objetivo de  “melhorar e completar a intervenção da escola pública e profissional”. Tal acontece ao abrigo do projeto “Escola + Feliz” criado em 2012 pela Câmara Municipal de Oliveira do Hospital e que evoluiu para um novo patamar justificado pelo diagnóstico que foi feito ao estado da escola pública e profissional no concelho.

Abandono escolar precoce, absentismo escolar, falta de supervisão por parte dos encarregados de educação e de motivação por parte dos alunos, bullying, comportamentos desviantes, dificuldades económicas das famílias foram alguns dos sinais verificados e que conduziram à criação da equipa multidisciplinar que, em primeira instância, vem “colmatar uma lacuna” sentida na rede escolar concelhia ao nível de profissionais que possam prestar apoio a alunos e às famílias.

“Sabemos das reivindicações dos pais . Há meses houve uma manifestação a exigir profissionais e a pedir apoio e intervenção da Câmara Municipal” referiu o vice-presidente da Câmara Municipal considerando que o projeto “Escola + Feliz” ganha “mais pertinência” quando um único psicólogo presta apoio a uma comunidade de 2900 alunos e é visível a falta de professores da área das necessidades educativas especiais. “Em cumprimento do prometido pela Câmara apresentamos este projeto”, referiu José Francisco Rolo que igualmente presente na condição de presidente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Oliveira do Hospital se revela satisfeito pela intervenção que tem sido levada a cabo junto dos jovens e das suas famílias. “Em 2013 tínhamos 128 processos e fruto dos esforços conseguimos o arquivamento de 48 processos”, referiu.

Para o responsável o “Escola + Feliz “ é um “claro investimento nas pessoas e na qualidade da rede escolar”. “ Esta é a nova vocação do município. O que o Ministério da Educação não faz, deve fazer o município com sentido de responsabilidade social perante pais e alunos”, constata José Francisco Rolo, que dá conta da disponibilidade do município para dar continuidade ao projeto, não querendo porém “substituir as responsabilidades do Ministério da Educação”, mas antes “preencher uma lacuna”. “Temos esperança que o Ministério da Educação garanta este tipo de recursos na escola pública que é para ser valorizada e não emagrecida na capacidade de resposta aos alunos e pais”, rematou,

 “O Agrupamento tem 2900 alunos e temos identificadas 150 crianças com necessidades educativas especiais”

Graça Silva, vereadora da Educação na Câmara Municipal realça a importância do “Escola + Feliz” no apoio que vai prestar a alunos e pais. “O Agrupamento tem 2900 alunos e temos identificadas 150 crianças com necessidades educativas especiais”, alerta a responsável que apesar de satisfeita por não se verificarem “graves problemas nas escolas”, entende que o caminho a seguir é o da “prevenção”. “É nesse campo que estamos a trabalhar”, frisou Graça Silva consciente de que “os casos se vão sinalizando” e um único psicológico “não dá resposta” às necessidades de 150 casos.

A medida merece o aplauso da Associação de Pais e da Comissão Administrativa Provisória do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital. “Resta-me abraçar o projeto e desejar que evolua da melhor maneira. Uma comunidade educativa motivada ajuda ao sucesso escolar”, referiu Ana Álvaro,  presidente da Associação de Pais. Já para Luís Ângelo, da CAP do Agrupamento de Escolas, este “é um projeto feliz”. Grato pela iniciativa da Câmara na disponibilização de profissionais que prestem auxílio aos alunos e às famílias – “não temos nenhum técnico de terapia da fala”, frisou – Luís Ângelo disse porém que  “esta não é a resposta completa”, pelo que apelou à continuidade do “Escola + Feliz”.
São parceiros no projeto “Escola + Feliz”, a CPCJ, Gabinete de Ação Social e Saúde e Gabinete de Educação, Cultura, Ambiente e Desporto do Município de Oliveira do Hospital, Projeto Educativo Local, Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital, EPTOLIVA, ESTGOH, Associação de Pais e Instituto da Segurança Social.

LEIA TAMBÉM

União Europeia reforça frota de combate a incêndios

A Comissão Europeia anunciou esta hoje o reforço da frota europeia para combate aos incêndios …

Verão já começou, mas sol só regressa na quarta

O Verão chegou acompanhado de nuvens, chuva e temperaturas amenas. O sol só regressa quarta-feira …