Home - Opinião - Fazer contas à vida. Poupar para multiplicar. Autora: Tânia Vieira

Fazer contas à vida. Poupar para multiplicar. Autora: Tânia Vieira

No contexto actual, conseguir colocar algum dinheiro de parte e constituir poupança é cada vez mais difícil. No passado dia 31 de Outubro assinalou-se o dia mundial da poupança pelo que a DECO deixa alguns conselhos para rentabilizar as suas poupanças.

Para quem pretende investir as suas poupanças deve ter em consideração que existem investimentos de risco, como por exemplo, acções e que, consequentemente, têm uma taxa de rentabilidade mais elevada. Há investimentos de risco reduzido, como é o caso dos depósitos a prazo, cuja taxa de rentabilidade é mais reduzida.

Os depósitos a prazo são um empréstimo que um investidor faz ao banco, pelo qual recebe como contrapartida juros, que representam o preço que o banco paga pela disponibilização do dinheiro. É o investimento mais simples de todos com posto pela taxa de juro e a duração do depósito a prazo, que varia consoante os bancos.

Quando se pretende aplicar a poupança deve levar-se em consideração três características do possível investimento:

  • Rentabilidade: Quanto é que nos vai render a aplicação?
  • Liquidez: Podemos tirar o dinheiro aplicado a qualquer momento? Somos penalizados se o fizermos?
  • Segurança: Corremos o risco de perder o dinheiro investido?

Há depósitos a prazo que estipulam o montante mínimo e/ou máximo para investir. Também os há em que o levantamento antecipado do dinheiro investido acarreta algum custo ou apenas uma perda, total ou parcial, dos juros.

Assim, quando estiver a ponderar a sua escolha deve escolher o depósito a prazo que melhor se adapte às suas necessidades e ter em atenção o prazo previsto para o resgate (caso exista).

Vantagens

  • Risco próximo do zero;
  • Remuneração garantida;
  • Simples de perceber;
  • Não obriga a despesas adicionais (na maioria dos casos);
  • Oferta variada;
  • Benéfico para ambas as partes: o investidor rentabiliza o seu dinheiro, de forma segura, e o banco dispõe de capital adicional, mediante um baixo custo.

Desvantagens

  • Juros normalmente baixos;
  • Desmobilização antecipada do capital obriga, geralmente, a penalizações;
  • Depósitos a prazo com taxa atractiva têm, normalmente, duração superior a 6 meses;
  • Em determinados períodos económicos, oferecem uma taxa de juro inferior à inflação.

Para investir sem risco, pesquise e simule. Poupar é sempre o melhor remédio!

 

Autora: Tânia Vieira, Jurista da DECO Coimbra

Os leitores interessados em obter esclarecimentos relacionados com o Direito do Consumo, bem como apresentar eventuais problemas ou situações, podem recorrer à DECO, bastando, para isso, escreverem para DECO – Gabinete de Apoio ao Consumidor – Rua Padre Estêvão Cabral, 79-5º, Sala 504-3000-317 Coimbra ou ligando para o número 239 841 004.

LEIA TAMBÉM

COVID-19, dia 30 de Junho… véspera da abertura das fronteiras. Autor: Carlos Antunes

Estamos a horas de serem abertas as fronteiras terrestre com Espanha. Há 2 meses perguntava-se …

Viajar no tempo – O nosso património. Autor: Fernando Tavares Pereira

Hoje vim visitar os Fiais da Beira. Terra onde em tempos vinha nas lides futebolísticas …