Home - Outros Destaques - Fernando Tavares Pereira acusa filho de Mário Loureiro de estar a contas com a justiça devido ao desaparecimento de vários milhões no Brasil

Fernando Tavares Pereira acusa filho de Mário Loureiro de estar a contas com a justiça devido ao desaparecimento de vários milhões no Brasil

A troca de palavras entre Fernando Tavares Pereira e o ainda presidente da CM de Tábua, Mário Loureiro, com início em sucessivas conferências de imprensa em vésperas das Eleições Autárquicas, por parte do ainda Presidente da Câmara a propósito da actividade dos Centros de Exame em Tábua, continua. O empresário Fernando Tavares Pereira enviou agora uma carta aberta a Mário Loureiro na qual acusa o filho deste de ter de responder em processo de prestação de contas, onde está em causa o desaparecimento de várias dezenas de milhões de reais da minha empresa no Brasil, e terá de responder também criminalmente, perante o Ministério Público,  em processos que lhe foram movidos pela sua actuação.

Mário Loureiro

“A diferença é que eu tenho evidências, e apresentá-las-ei, para se perceber quem é quem e onde está a verdade”, refere o empresário, desafiando ainda Mário Loureiro a mostrar provas das acusações que faz em relação ao antigo candidato da coligação PSD/CDS-PP sobre o que ficou designado como período negro da gestão do Centro de Exames de Tábua. O empresário volta a tepetir que nada teve a ver com aquilo e acusa o autarca de omitir a verdade. “O grave é que V. Exa. sabe disto e não o diz, insinuando o contrário. O grave é que falta à verdade ao mesmo tempo que se afirma como impoluto e exemplar. Mas a única preocupação que o motivou foi denegrir-me pessoal e politicamente”, acusa.

A carta aberta na integra:

Caro Sr. Mário Loureiro,

Temos uma coisa em comum: eu também não brinco em serviço!

E diz o Sr. que não retira uma vírgula. Eu também não, e repito:

Em relação àquilo que o sr. chamou o período negro da gestão do Centro de Exames de Tábua, mais uma vez esclareço:

  • Eu nada tinha que ver com a gestão da Fercontrol ou do Centro de Exames;
  • Nem as autoridades fiscais, nem as autoridades judiciais imputaram qualquer responsabilidade, nesta polémica, à minha pessoa;
  • Todas as investigações feitas pelas Finanças, pelo Ministério Público e pelos Tribunais, nunca tocaram a minha pessoa.

 

O grave é que V. Exa. sabe disto e não o diz, insinuando o contrário.

O grave é que falta à verdade ao mesmo tempo que se afirma como impoluto e exemplar. Mas a única preocupação que o motivou foi denegrir-me pessoal e politicamente.

Desafio-o, pois, a apresentar provas em contrário. Em causa está a minha honra e reputação, e mais uma vez repito, eu também não brinco em serviço. Apresente essas evidências daquilo que afirma e acusa.

E mais grave ainda é que neste seu último arrazoado publicado na imprensa, faz referência à minha família, mais propriamente à minha esposa.

Isso não, Sr. Mário Loureiro.

Não gostaria, certamente, que eu fizesse referência à atuação do seu filho no Brasil, à traição que me fez, após levá-lo pela mão em maio de 2007, com uma procuração com plenos poderes.

Na verdade, a sua família, o seu filho, Gonçalo Miguel de Moura Loureiro, em Outubro do mesmo ano, começou a praticar atos contra a minha pessoa e o meu património, o que levou à instauração de vários processos de natureza criminal e civil para apuramento de responsabilidades.

O seu filho, sim, está a contas com a justiça. O seu filho terá de responder em processo de prestação de contas, onde está em causa o desaparecimento de várias dezenas de milhões de reais da minha empresa no Brasil, e terá de responder também criminalmente, perante o Ministério Público,  em processos que lhe foram movidos pela sua atuação.

A diferença é que eu tenho evidências, e apresentá-las-ei, para se perceber quem é quem e onde está a verdade.

Até breve.

Fernando Tavares Pereira 

 

LEIA TAMBÉM

Vila Franca da Beira, 34 anos depois da criação da Freguesia

“Sessão Solene” evocativa dos 34 anos da criação da Freguesia de Vila Franca da Beira …

Obras da Casa da Cultura de Oliveira do Hospital a caminho dos mil dias de atraso

Francisco Rodrigues diz que empreiteiro incorre em penalização superior a 1,3 milhões de euros e …