Home - Últimas - Finalmente: Antiviral Remdesivir é eficaz contra a COVID-19 e resultados melhoram se a infecção for detectada cedo 

Finalmente: Antiviral Remdesivir é eficaz contra a COVID-19 e resultados melhoram se a infecção for detectada cedo 

O antiviral Remdesivir é eficaz contra a covid-19 caso seja administrado antes dos pacientes necessitarem de ventilação mecânica, indica um ensaio internacional, coordenado pelo Hospital Can Ruti, em Badalona, Barcelona, Espanha. Segundo um comunicado divulgado, ontem, pelo Instituto Catalão de Saúde, foi o Hospital Germans Trias, também conhecido como Can Ruti, que coordenou o estudo em Espanha. Os resultados salientam a necessidade de identificar os casos de COVID-19 o mais rápido possível e de testar a população.

O “New England Journal of Medicine” publicou os resultados deste estudo internacional com este medicamento, que, de acordo com os investigadores, reduziu em 31 por cento o tempo de hospitalização dos pacientes com covid-19. Os resultados do estudo realizado com o antiviral Remdesivir indicam que este medicamento é mais eficaz se for administrado a pacientes com pneumonia que apresentam falta de oxigénio, mas que ainda não necessitam de ventilação mecânica.

Apoiado pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (IAID), o ensaio internacional teve a participação de 68 centros hospitalares, dos quais 47 são dos Estados Unidos e 21 da Europa e Ásia. Os dados preliminares do estudo foram divulgados em 29 de Abril, quando os cientistas verificaram que o uso do Remdesivir, um antiviral de uso hospitalar inicialmente projectado contra o Ébola, trazia benefícios claros para os pacientes, pelo que consideraram que era anti-ético não avançar com a experiência.

Agora, o “New England Journal of Medicine” publica os dados do estudo após ser analisado por outros cientistas independentes. No total, 1059 pessoas participaram do estudo, das quais 538 receberam Remdesivir e 521 apenas placebo, por um período de 10 dias. O estudo foi “duplo-cego”, o que significa que nem os pesquisadores nem os pacientes sabiam se estavam recebendo Remdesivir ou apenas placebo. O grupo que recebeu Remdesivir recuperou num prazo 31 por cento menor do que o grupo que recebeu placebo, reduzindo em quatro dias – de 15 para 11 – a permanência no hospital.

LEIA TAMBÉM

Vereadores do PSD querem dar nome do atleta olímpico Luís Jesus à pista do Estádio Municipal de Tábua

O PSD de Tábua pretende dar o  nome do atleta tabuense Luís Jesus à pista …

Bombeiros da Guarda colocam dispositivo fora do quartel para evitar contágios da COVID-19

Os bombeiros Voluntário da Guarda, uma cidade particularmente afectada pela COVID-19, instalaram o dispositivo de …