Home - Outros Destaques - “Há ausência de ideias e políticas estruturantes de apoio às famílias”

“Há ausência de ideias e políticas estruturantes de apoio às famílias”

A concelhia de Oliveira do Hospital do Partido Social Democrata considera, em comunicado, que as directrizes do Orçamento Municipal de 2015 e as Grandes Opções do Plano (GOP), da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, aprovados na última Assembleia Municipal, continuam a ser marcados pela ausência de ideias e políticas estruturantes de apoio às famílias. Os sociais-democratas oliveirenses, que reafirmam a sua discordância com os documentos aprovados no sábado, sublinham ainda que ao contrário daquilo que foi afirmado pelo presidente da autarquia naquela sessão, o PSD deu o seu contributo para a elaboração daqueles documentos, através da sua comissão política e da sua vereadora.

“Pena é que tais contributos não fossem vertidos nos documentos aprovados e que seriam, seguramente, factores positivos. Infelizmente para os Oliveirenses, o Orçamento 2015 e as GOP carecem de estratégias credíveis e de um rumo para Oliveira do Hospital”, lamentam no comunicado assinado pelo Presidente Comissão Política PSD,Secção de Oliveira do Hospital, Nuno Vilafanha. “Pelo contrário, continuam a ser marcados pela ausência de ideias e políticas estruturantes de apoio às famílias, à educação, à cultura e que promovam o desenvolvimento do concelho em termos turísticos, agrícolas, florestais, comerciais e empresariais que necessitam e exigem cada vez mais do apoio e intervenção do município”, frisam.

Os sociais-democratas entendem que ao executivo Socialista deveria ter feito um esforço de reorganização interna. “Pedia-se uma redução nas despesas com titulares de órgãos autárquicos, como por exemplo a redução do número de vereadores e de gabinetes de apoio. Tal não se verificou”, explicam, adiantando que este é um “um orçamento que não serve os oliveirenses, que não procura responder às suas necessidades, anseios e desejos, que não procura inverter o rumo erróneo que nos afasta do progresso, parecendo limitar-se somente a gerir a despesa corrente do município”.

“Haveria outras formas de canalizar dinheiro para esses apoios, recorde-se que a Câmara Municipal tem, aparentemente, uma situação financeira que permitiria aguentar uma diminuição das suas receitas. Bastava, obviamente, contrabalançar com a redução da despesa. Reduzir na despesa e não nos serviços que presta. Bastava reduzir na despesa, por exemplo, com o número de vereadores ou de alguns assessores”, referiu Nuno Vilafanha na sua intervenção na AM quando se discutiu a proposta de aplicar a taxa máxima de IRS aos munícipes de Oliveira do Hospital. O PSD defendeu uma taxa de 2,5 por cento, a maioria socialista aprovou a taxa de 5 por cento, o máximo permitido por lei.

O documento termina garantindo que este Orçamento Municipal de 2015 representará mais um ano perdido para o desenvolvimento de Oliveira do Hospital.

 

LEIA TAMBÉM

Carnaval da Beira Serra em Lagares da Beira assegurado por uma nova comissão organizadora

Um conjunto de habitantes de Lagares da Beira decidiu criar uma nova Comissão Organizadora para …

“Aumento dos juros e apatia dos políticos podem levar ao encerramento ou despedimentos por parte das empresas do interior”

O empresário Fernando Tavares Pereira ficou perplexo com a forma como o Primeiro-Ministro, António Costa, …