Home - Últimas - Hungria também coloca entraves a viagens com Portugal devido à COVID-19

Hungria também coloca entraves a viagens com Portugal devido à COVID-19

A Hungria vai interditar na terça-feira o acesso a residentes em países africanos, na maior parte dos países asiáticos e em alguns estados europeus, entre medidas que afectam também Portugal, anunciou hoje o Governo, invocando o agravamento mundial da pandemia. A partir de terça-feira à meia-noite, Budapeste vai introduzir um sistema tricolor e os habitantes dos países classificados como “zona vermelha” não serão autorizados a entrar no país da Europa central, até nova ordem.

O sistema de classificação comporta várias zonas, entre elas zonas laranja e verdes que é aqui que Portugal é afectado. Os viajantes originários da categoria laranja devem confinar-se se não obtiverem resultado negativo no teste de despistagem de coronavírus nos cinco dias após a chegada. Esta categoria inclui Portugal, Bulgária, Suécia, Roménia, Reino Unido, Noruega, Sérvia, Rússia, Estados Unidos, China e Japão.

“Devemos preservar a nossa segurança para que o vírus não seja introduzido. As taxas de infeção entre nós são baixas e queremos que continuem assim”, declarou aos jornalistas Gergely Gulyas, chefe de gabinete do primeiro-ministro, Viktor Orban, na capital.

Os países africanos e asiáticos, à excepção da China e do Japão, são atingidos por esta nova medida não serão autorizados a entrar no país da Europa central, até nova ordem.Na Europa, afecta a Albânia, a Bósnia, a Macedónia do Norte, o Kosovo, a Bielorrússia, o Montenegro e a Ucrânia. Os residentes húngaros provenientes destes destinos serão autorizados a regressar ao país, mas deverão submeter-se a um teste obrigatório de despistagem do novo coronavírus e a uma quarentena obrigatória de duas semanas, precisou Gulyas.

A Hungria, um país membro da União Europeia com 9,8 milhões de habitantes, registou oficialmente, até hoje, 4.234 casos de infecção pelo novo coronavírus e 595 mortes devido à epidemia. Na semana passada, invocando risco sanitário, o primeiro-ministro anunciou que Budapeste não seguiria uma recomendação da União Europeia destinada a levantar as restrições de viagem relacionadas com o coronavírus, para mais países fora da União.

O abrandamento das restrições nas fronteiras da União, anunciado em 30 de Junho, foi deixado à consideração dos Estados-membros e visa ajudar o sector turístico do continente, afectado pela quebra no fluxo internacional de passageiros, devido às restrições adoptadas para tentar conter a pandemia.

LEIA TAMBÉM

Autoridades de La Palma agradecem donativo da MAAVIM

O Governo regional do arquipélago das Canárias agradeceu hoje via email o donativo de 500 …

Padre investigado por alegadamente assediar menor em Viseu 

O Ministério Público está a investigar um padre da diocese de Viseu, de 46 anos, …