Home - Opinião - Ironias da pandemia nos desejos para o Ano Novo. Autor: João Araújo Correia, presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI)

Ironias da pandemia nos desejos para o Ano Novo. Autor: João Araújo Correia, presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI)

Às vezes dou comigo a pensar, que talvez haja uma ordem universal, quiçá divina, que faz algumas correções, quando a humanidade parece caminhar alegremente para o precipício. É verdade, que os meios usados por essa mão sobrenatural, para invertermos o caminho indesejado, nem sempre são agradáveis. Pelo contrário, são por norma traumáticos, em forma de pragas, guerras ou pandemias. Esta pandemia covid-19, que ainda estamos a viver, apesar da chegada da vacina nos dar uma nova esperança para 2021, deve fazer-nos mudar o rumo da nossa forma de vida, mesmo depois de termos conseguido a almejada imunidade de grupo.

Até Fevereiro de 2020, todo o mundo continuava a viver todas as formas de consumo, numa velocidade paranoide. Os aeroportos, cheios de gente com pressa de ir para algum destino, só porque estava em promoção. Ninguém fica em casa, com a vergonha de ser descriminado. Há reuniões do outro lado do planeta, só porque sim. E, se o dinheiro é muito, podemos almoçar em Paris e jantar em Nova Iorque. Várias nações reivindicam o estatuto de superpotências e desatam a conquistar o espaço, num frenesim. Começamos a cobiçar outros planetas, para onde nos possamos mudar, se a terra ficar demasiado quente ou irrespirável. Pelo menos para os eleitos, a sensação de poder invencível era dominante, até que um desprezível coronavírus nos pôs a todos de pantanas! É terrível toda a devastação que já sofremos com a pandemia covid-19. Tantas vidas perdidas, com mortes ainda mais dolorosas pela obrigatória solidão! Quantos negócios dizimados, e sonhos destruídos! Mas, vai ficar-nos na memória, a beleza de Nova Deli despoluída, o sossego do trânsito no Cairo e o clarear das águas dos canais de Veneza.

Não tenho qualquer dúvida, de que Donald Trump teria vencido de novo as eleições americanas, se a pandemia covid-19 não lhe tivesse trocado as voltas. Com a economia em alta, e dinheiro em todos os bolsos, os Americanos iriam dar-lhe a vitória, porque “se sentiriam grandes outra vez”! É espantosa a força corruptora dos bens materiais. As comunidades de emigrantes legalizados, já com passaporte americano, eram parte da falange de apoio de Trump, nas suas políticas segregacionistas. É curioso, que não foi a desastrosa abordagem á pandemia, que conduziu Trump á derrota. Mesmo com um sistema de saúde incapaz de responder ás necessidades da população, que não estivesse munida de um seguro chorudo, e com uma taxa de mortalidade brutal, a maioria continuava com ele. Só não resistiu á hecatombe económica gerada pela pandemia. A pandemia, destruiu a economia e levou Joe Biden ao poder. Escreveu-se direito, por linhas tortas.

Se há assunto não resolvido no mundo, é o problema das migrações. É impossível obrigar o homem a continuar a viver na miséria, se lhe chegam imagens pela internet de cidades reluzentes, com gente farta e bonita, em constante celebração. É legítimo querer mudar de País, e tentar uma vida melhor, em que as preocupações constantes não sejam o pão e a casa. Não podemos continuar a legitimar a fuga, apenas quando há uma guerra ou um genocídio. Boris Johnson esteve muito mal com a covid-19 e esteve quase a ter de ser ligado ao ventilador mecânico. Escapou por um triz, e fez questão de lembrar dois enfermeiros emigrantes, a quem atribui o maior mérito de ter escapado. Há dias, fiquei comovido quando me enviaram uma fotografia duma família turca de imigrantes, chegados á Alemanha em 1970. A humilde família tem 4 filhos, e o rapazinho descalço, muito direito e de cabeça levantada, é Ugur Sahin, o cientista a quem a humanidade ficou agora a dever a vacina da Pfirzer/BioNtech contra a covid-19.

Por princípio, acredito que a inteligência dos homens lhes permite ler as mensagens, mesmo encriptadas e irónicas. Espero que esta pandemia, proporcione aos líderes mundiais alguns momentos de reflexão. Talvez possamos alterar um pouco o nosso modelo de desenvolvimento, sem o recurso ao consumismo desenfreado, que conduz ao aquecimento global. Mesmo sem grande carisma, Joe Biden poderá dar aos americanos um Sistema Nacional de Saúde universal, consentâneo com o estatuto de primeira potencia mundial. Vamos acolher bem os emigrantes que nos chegam, sem os colocar em ghettos de exclusão, ao mesmo tempo que tratamos de dar uma vida melhor nos seus Países de origem, para onde alguns vão querer voltar.

Autor: João Araújo Correia, Presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI)

LEIA TAMBÉM

COVID-19: tudo sobre a nova variante do Reino Unido. Autora: Dra. Laura Brum

Quando tudo parecia estar a enveredar por um novo rumo, com a vacinação a trazer …

Prioridade oficial está a ser dada aos “Estados de Emergência” em vez de ser dada à Vacinação anti-Covid 19 ! Autor: João Dinis

É verdade que estão muito preocupantes os altos índices da pandemia Covid 19 e mutações. …