Home - Região - Oliveira do Hospital - José Carlos Alexandrino promete que se o ministério da Saúde não criar soluções a autarquia tomará medidas para salvaguardar munícipes

José Carlos Alexandrino promete que se o ministério da Saúde não criar soluções a autarquia tomará medidas para salvaguardar munícipes

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital é um homem que aparenta uma forte preocupação com o estado da saúde que atravessa o concelho. Não se conforma com a falta de médicos e garante que se o Governo não reabrir as negociações para o “seu projecto revolucionário de saúde” a própria autarquia tomará medidas para que os oliveirenses tenham melhores cuidados. Em causa, diz, está, a dignidade daquela cidade, daí ter enfatizado, e rodeado de elementos da CDU e do CDS e com o apoio dos vários presidentes de junta, que esta manifestação foi suprapartidária. “Em causa está a dignidade da cidade e não propaganda de qualquer força partidária. “A única bandeira que aceitei aqui foi a de Oliveira do Hospital. Diziam que vinham candidatos a deputados. Ninguém os viu por cá, porque eles têm tratado muito mal Oliveira do Hospital”, explicou o autarca, enfatizando que é um homem que “gosta de criar pontes de diálogo”.

“Espero que na área da saúde ainda seja possível, porque no que respeita aos acessos rodoviários nesta legislatura já não é possível. Quando apresentei o nosso projecto de saúde o secretário de Estado ficou agradado e disse mesmo que ia gastar menos dinheiro que aquele que gasta actualmente, mas alguém lhe colocou um travão, dizendo-lhe que aqui estava um homem forte e que era melhor não fazer nada agora. Mas ainda está a tempo”, disse, lembrando que no que respeita aos acessos rodoviários este foi um sério aviso para qualquer que seja o próximo Governo. “A dignidade de Oliveira do Hospital sobrepôs-se aos valores partidários”, concluiu.

A líder pelo Movimento Dos Cidadãos Pela Saúde, um movimento embrionário, referiu que esta é uma luta que está no início e apelou a que os oliveirenses se unam para a fortalecer e lhe dar continuidade. “Tem de continuar até que seja encontrada uma solução”, apelou. O presidente da Junta de Travanca de Lagos, por seu lado, referiu que as autarquias se uniram ao processo porque conhecem as dificuldades das suas populações. Negam-lhes direitos básicos e acessos rodoviários condignos que lhes permitiriam chegar rapidamente aos hospitais centrais e nestas coisas um minuto pode fazer toda a diferença”, afirmou, vincando que ninguém vergará as pessoas de Oliveira do Hospital. “O poder central está a contribuir para a desertificação do interior, mas nós gostamos de cá viver e queremos canais de comunicação”, rematou.

A CDU, mesmo sem qualquer eleito municipal, também se fez representar por João Dinis e para dizer que a saúde é um direito que o Governo está a transformar num negócio. “Quem tem dinheiro tem acesso, quem não tem morre lentamente”, afirmou João Dinis, perante os aplausos dos presentes. Até mesmo, Luís Lagos eleito pelo CDS-PP fez questão de se unir aos discursos e para dizer que estava ali não contra o actual Governo, mas contra os governos dos últimos 30 anos.  “Estamos juntos na luta por Oliveira do Hospital”, concluiu.

LEIA TAMBÉM

“É altura de dizer basta… já chega de brincarem connosco”

O candidato a deputado pelo círculo de Coimbra Fernando Tavares Pereira criticou hoje aquilo que …

Faleceu o padre José Moreira Martinho, figura reconhecida em Seia e que foi também pároco em São Gião

Faleceu o padre José Moreira Martinho, aos 96 anos, que se destacou pelo trabalho desenvolvido …