Home - Últimas - Líder da CIM Beiras e Serra da Estrela diz que Governo está a promover uma “discussão de farsa” sobre PRR

Líder da CIM Beiras e Serra da Estrela diz que Governo está a promover uma “discussão de farsa” sobre PRR

O presidente da Comunidade Intermunicipal Beiras e Serra da Estrela disse hoje que o Governo está a promover uma “discussão pública de farsa” do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e lamentou que os municípios não tenham sido ouvidos. “É uma discussão pública de farsa. É uma discussão pública para satisfação do Governo, mas que, na verdade, não é em nada de discussão pública”, disse o presidente da Câmara Municipal de Gouveia.

Luís Tadeu explica: “Por uma simples razão: desde logo, os municípios, enquanto autoridades que no território, ao longo destes anos, têm sido as entidades que têm executado os diferentes programas comunitários, que têm sido fundamentais para a recuperação e a própria dinamização dos territórios, neste plano, estão completamente postas à margem”.

O presidente da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE), referiu ainda que, no processo, também “as próprias Comissões de Coordenação são postas à margem”. “Tudo é, pode dizer-se, concentrado numa determinada visão que o Governo tem do país, para o país. Pergunta-se é se essa visão que o Governo tem é aquela que se adequa ao país real que temos”, referiu. “E aí é que as coisas dão para o torto, é que esta visão que o Governo apresenta para o país, de facto, não é para o país, é para partes do país. É para as Áreas Metropolitanas. É para Lisboa, e a grande Área Metropolitana deLisboa, é para o Porto, e a grande Área Metropolitana do Porto, é para a Madeira e é para os Açores. O resto do território não tem, efetivamente, relevância nenhuma neste programa”. Por isso, segundo o autarca, a participação num “pressuposto processo” de discussão pública é “participar na farsa que o mesmo constitui”.

O presidente da CIM-BSE observa, ainda, que “quando praticamente metade das verbas são logo consumidas e reservadas para o próprio Estado, não para o território, e não envolvendo as autoridades que localmente executam os programas, o país é pensado de uma forma centralista, o que é curioso, porque vem clarificar a verdadeira visão de descentralização do Governo”. “É um Governo de incoerências. É um Governo que enche a boca para falar de descentralização de competências”, aponta.

Na opinião do presidente da CIM-BSE, os fundos que se avizinham “não vão ser fator para recuperação” dos territórios mais desfavorecidos, nem para “tornar o país mais coeso”. Luís Tadeu lembra também que, “em devido tempo”, a CIM-BSE apresentou “aqueles que eram os seus propósitos” e o seu projeto principal estava relacionado com a capacitação digital do território e a utilização das novas tecnologias.

O projeto “âncora” da CIM-BSE possui diferentes ramificações, nomeadamente no âmbito da recuperação do imobiliário para a sua disponibilização a atuais ou novos residentes, acolhimento empresarial e apoio às empresas, reforço do regadio no território, floresta e proteção contra incêndios.

LEIA TAMBÉM

Rui Rio escolheu Gustavo Duarte como cabeça de lista pelo distrito da Guarda e Mónica Quintela por Coimbra

O ex-presidente da CM de Vila Nova de Foz Côa Gustavo Duarte vai ser o …

Arganil aposta em orçamento superior a 24 milhões de euros para 2022 e devolve IRS aos munícipes

O orçamento municipal de Arganil para 2022, no valor de aproximadamente 24 milhões e 400 …