Home - Região - Local - Liga de Melhoramentos de Aldeia de Nogueira requalificou instalações e responsáveis criticam Câmara

Liga de Melhoramentos de Aldeia de Nogueira requalificou instalações e responsáveis criticam Câmara

A Aldeia de Nogueira, no concelho de Oliveira do Hospital, tem apenas cerca de 120 habitantes. Mas conta com uma actividade associativa invulgar que movimenta directa e indirectamente cerca de 160 pessoas, através da Liga de Melhoramentos de Aldeia de Nogueira (LMAN), uma instituição que desde ontem passou a contar com instalações requalificadas. O espaço tem agora, entre outros aspectos, um piso novo e um palco renovado separado do exterior por uma parede amovível, o que permite a sua utilização de espectáculos dentro do salão ou ao ar livre. O investimento foi de 7300 euros, com a Câmara Municipal a comportar 2500 euros do orçamento e a Junta de Freguesia de Nogueira do Cravo 560 euros, além da mão-de-obra para a pintura. O restante, a maior fatia, foi suportada pelos populares.

_DCS0044 (Medium) O resultado não deixou indiferentes as muitos pessoas que encheram o salão para apreciar as melhorias realizadas nas instalações e ver actuar os vários grupos que se juntaram à festa. Os elogios, porém, não foram suficientes para que alguns elementos da direcção esquecessem aquilo que consideram como “discriminação por parte da autarquia” liderada por José Carlos Alexandrino. O autarca, de resto, não marcou presença, alegando motivos pessoais. “A obra arrancou porque na nossa tomada de posse, o senhor presidente da Câmara prometeu-nos os materiais. A verdade é que estivemos um ano à espera e a verba que nos atribuiu ficou aquém dos custos dos materiais”, contou o presidente da Liga de Melhoramentos da Aldeia de Nogueira, António José Pereira Cardoso, enquanto ia recebendo várias felicitações e elogios pelo trabalho realizado.

Este dirigente mostrou-se ainda mais cáustico para com o município quando falou dos apoios atribuídos_DCS0059 (Medium) às acções culturais no concelho. Explicou que, apesar de a LMAN manter em funcionamento seis grupos de várias áreas (Escola de Concertinas, Grupo de Concertinas, Grupo de Teatro de Sátira Popular, Clube do Jogo do Pau e Grupo de Cantares), nunca recebeu um cêntimo de ajuda para estas actividades. “Quando olhamos para o boletim municipal achamo-nos discriminados. Verificamos que recebemos muito menos que outras entidades do género. Algumas delas que se encontram de portas fechadas. Se calhar o futuro é esse”, lamentou, sublinhando que a autarquia tem de definir regras claras na atribuição dos subsídios. “Queremos ser tratados em pé de igualdade como os outros. Nem mais, nem menos”, explicou ainda Cardoso, sem esconder a satisfação pelo facto da associação que lidera fazer obra, não dever “um cêntimo a ninguém e ainda apresentar um saldo positivo de 1298 euros”. Muito pelo esforço do povo. É que pelas suas contas, nos 20 anos de existência legal, a Liga de Melhoramentos de Aldeia de Nogueira apenas recebeu do município 57 mil euros e 6500 por parte da Junta de Freguesia, além de alguns materiais.

_DCS0069 (Medium)Estas insatisfações não retiraram a boa disposição ao vice-presidente da autarquia, José Francisco Rolo, que não se conteve em elogios à obra e não escondeu a sua satisfação por estar presente num espaço que passa a contar com melhores condições. Mas procurou rebater as críticas. “Tratamos todas as instituições por igual. Quem tem iniciativas é apoiado. Basta consultar o boletim municipal”, frisou, garantindo que o município tem sempre “as portas abertas para receber as instituições e discutir propostas”. Francisco Rolo reconheceu também que o trabalho desenvolvido pelos responsáveis daquela instituição permite que “numa terra pequena aconteçam coisas fantásticas”. “Não parem. Continuem. É importante que exista um associativismo vivo. O concelho só fica a ganhar e podem contar com a Câmara Municipal”, prometeu.

José Cruz, de 71 anos, por certo, ficou satisfeito com estes elogios. Mas também pouco convencido de _DCS0053 (Medium)que todos sejam tratados de igual forma. Na sua opinião, a CMOH não olha para a LMAN com a atenção que devia. “O subsídio que atribuiu a esta obra foi muito pequeno. Deviam contribuir mais porque a nossa aldeia merece. Tem feito muito pela promoção e cultura do concelho. A Câmara não vê isso. Preferem olhar para as terras que dão mais votos”, frisou.

José Cruz fala com a autoridade de quem, na década de 70, ajudou a dar os primeiros passos para erguer aquilo que é hoje a Liga de Melhoramentos de Aldeia de Nogueira. Foi num período conturbado. Existia a ameaça de alguém tomar posse do baldio que agora alberga as instalações. Mas Cruz e dois amigos assumiram as responsabilidades e agarraram o terreno para o povo. “Havia muita confusão. Fui a Seia, falei com um indivíduo e perguntei-lhe se vinha cá com a máquina terraplenar este morro. Disse-me que sim. Avisei-o logo que só parava quando nós lhe descemos ordens, nem que viesse a Câmara ou a Junta de Freguesia. A responsabilidade era nossa. Trabalhou aqui muito. Colocava um cigarro no canto da boca de manhã e lá andava. À tarde colocava outro e era até ao fim do dia. No final, pagámos-lhe seis contos. Foi assim que começou”, conta, recordando a forte união que naqueles tempos existia na povoação, algo “bem mais forte que aquela que se sente nos dias de hoje”.

António Lobo, o primeiro presidente da instituição, é um pouco mais moderado. Mas também ele reconhece que há muitas coisas a fazer, mas falta dinheiro. “Temos de ser humildes”, conta, ele que faz questão de referir que os dinheiros públicos têm de ser bem geridos. Mas considera que não seria favor nenhum a autarquia apoiar mais os grupos que integram a Liga de Melhoramentos. “Eles fazem parte da colectividade. Representam Oliveira do Hospital em muitos locais, logo deveriam receber alguns apoios, como os outros. Mas cada caso é um caso. O importante é não deixar-mos perder o ritmo”, atira antes de ir aconchegar o estômago com uma boa sopa, servida às várias dezenas de pessoas presentes, no encerramento da cerimónia.

LEIA TAMBÉM

Cidade de Oliveira do Hospital às escuras com cortes de electricidade perto da meia-noite

A cidade de Oliveira do Hospital sofreu ontem próximo da meia-noite várias quebras de abastecimento …

CM Oliveira do Hospital cancelou concurso para exploração do Café Central, apesar de existir uma proposta

O Café Central em Oliveira do Hospital dificilmente vai abrir este Verão. É que a …