Home - Região - Oliveira do Hospital - Moção de censura chumbada por unanimidade: Alexandrino cita Churchill, PS aplaude e PSD e CDS criticam atitude da mesa

Moção de censura chumbada por unanimidade: Alexandrino cita Churchill, PS aplaude e PSD e CDS criticam atitude da mesa

Ocupado com uma viagem em representação da CIM de Coimbra ao Chipre e a leitura da obra de Winston Churchill, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital confessou que não leu a moção de censura apresentada por António Lopes contra o seu executivo, nem lhe mereceu grande importância. O documento, de resto, acabou por ser chumbado pela totalidade dos eleitos presentes na última Assembleia Municipal. Nem o próprio António Lopes votou. Abandonou a sala por momentos, em protesto por aquilo que classificou como uma desconsideração e um atropelo à lei por parte da mesa ao não incluir a moção na ordem do dia, empurrando-a para o espaço dedicado ao período de antes da ordem do dia. A atitude da mesa também mereceu fortes criticas por parte do PSD e do CDS. José Carlos Alexandrino desvalorizou.

“Nem tive tempo de a ler e também não ia perder tempo com isso. Tenho outras coisas para ler. Nos últimos tempos descobri Churchill e tenho aprendido umas coisas”, disse o presidente da autarquia, depois de ter ouvido vários membros do partido socialista criticarem a moção e louvarem o trabalho do seu executivo. E acabou a citar Churchil: “Não seremos julgados pelas criticas dos nossos adversários, mas sim pelas consequências dos nossos actos”.

Perante as vozes criticas dos socialistas sobre a moção, surgiu o eleito do CDS/PP, Luís Lagos, a referir que se António Lopes não conquistava o seu apoio, já o tratamento dado pela mesa ao documento “quase” o convencia a “votar favoravelmente”. “O senhor presidente da mesa e o PS continuam a cometer o mesmo erro. Refugiam-se em argumentos processuais para limitar a discussão. O PS não pode recorrer a esses argumentos, tem de utilizar expedientes políticos. Se não concorda com a moção vota contra, mas tem de dar espaço e tempo para que essa discussão seja feita. O concelho só tem a beneficiar”, acusou Lagos, anulando o argumento do presidente da AM para quem a moção era uma competência instrumental e não substancial, pelo que não tinha de entrar na ordem do dia. Luís Lagos sublinhou ainda que era de bom-tom político que a resposta do Partido Socialista fosse a apresentação de uma moção de confiança ao executivo. “Deveria tê-la anunciado de imediato. Foi pena que tenha estado adormecido durante uma semana e não o tenha feito”, reforçou.

Lagos explicou depois que não poderia votar favoravelmente a moção de censura porque um documento daquele teor pressupõe uma alternativa ao poder que neste momento (António Lopes só depois desta intervenção assumiu a sua candidatura) aquele membro do PP não vislumbra. “E para votar uma moção de censura tem de existir uma alternativa. A dois anos das eleições temos o principal partido da oposição em cacos. Sem uma alternativa válida, capaz e consistente não podemos votar favoravelmente”, disse, garantindo que o seu partido tem trabalhado no sentido de construir alternativas com propostas políticas.

O presidente da concelhia do PS veio então dizer que não via qualquer necessidade de apresentar uma moção de confiança. “Apresentar uma moção de confiança ao senhor presidente porquê? O PS confia e vai continuar a confiar até ao memento que ele quiser em José Carlos Alexandrino. E desenganem-se aqueles que pensam que o PS está a abrir brechas. O PS está unido com os membros da Assembleia e o seu executivo”, concluiu.

Esta união, porém, não deveria impedir, no entender o Rafael Costa, que a moção fosse devidamente discutida. Para o eleito do PSD não faz qualquer sentido a proposta não ter sido incluída na ordem do dia. “O que diria o PS se fosse da sua autoria e não fosse incluída?”, questionou, antes de explicar que, ainda assim não votaria, favoravelmente por lhe parecer que a proposta surgiu a fora de tempo, não apresentava alternativas e que “poderia ser mais proactiva”.

LEIA TAMBÉM

Choque frontal em Seixo da Beira provoca ferido grave

Um choque frontal entre dois veículos ligeiros de mercadorias hoje de manhã em Seixo da …

Oliveira do Hospital: viatura corta trânsito pedonal junto ao rio Alva desde Agosto

Uma viatura pesada de matrícula francesa está a impedir o trânsito pedonal, junto ponte romana, …