Home - Opinião - Na última década os preços das casas aumentaram 63 por cento, mas salários quase estagnaram

Na última década os preços das casas aumentaram 63 por cento, mas salários quase estagnaram

O preço das habitações disparou ao longo da última década em Portugal, em grande parte devido à escassez que existe no mercado (a existência de uma procura superior à oferta inflaciona naturalmente os preços) e devido à pressão que o turismo exerceu sobretudo nas maiores cidades do país. O facto de Portugal ser um dos países da OCDE onde há mais casas não habitadas (cerca de 13% do total das habitações) condiciona também a capacidade de resposta a esta elevada procura.

Por estes motivos, entre 2012 e 2021 existiu um boom no preço das habitações em Portugal. Excluindo os efeitos da inflação, em média, uma habitação em 2021 custava mais 63% do que em 2012. Entre as economias mais pobres da União Europeia, Portugal é o 4.º país onde mais subiram os preços das habitações, apenas superado pela Hungria (84%), Estónia (71%) e República Checa (68%).

No entanto, e para o mesmo período entre os países que viram o preço das suas habitações mais crescer, Portugal é, por larga margem, o país onde o salário médio real líquido menos cresceu (apenas 7%). Na Hungria o salário médio real líquido cresceu 30%, na Estónia 45% e na República Checa 25%. No cômputo geral, apenas a Grécia (-13%), a Espanha (-2%) e Malta (4%) apresentaram crescimentos inferiores do salário médio real líquido mas o crescimento do preço das habitações foi muito inferior ao verificado em Portugal.

Consequentemente, Portugal tem o maior diferencial (57 pontos percentuais) entre o crescimento do índice do preço das casas e o crescimento do salário médio real líquido, fazendo com que os portugueses tenham sido quem mais poder de compra perdeu para adquirir habitação entre todas as economias equiparáveis na UE. Seguem-se a Hungria (54pp) e a República Checa (43pp).

A aquisição de habitação própria é cada vez mais um desafio para as famílias portuguesas, que se reflete também no aumento dos preços de arrendamento. São vários os obstáculos que condicionam o aumento da oferta de habitação (o que evitaria uma escalada tão acentuada dos preços): atrasos no licenciamento, elevada e complexa carga fiscal, burocracia, falta de mão-de-obra, escassez de terrenos disponíveis, entre outros motivos.

André Pinção Lucas

Diretor Executivo Interino – Instituto +Liberdade

LEIA TAMBÉM

O Deputado «guerrilheiro» e o Primeiro-Ministro dos «zig-zagues». Autor: Carlos Martelo, cronista de escárnio e maldizer

Eu, cronista que sou, e a bem dizer, também de escárnio e maldizer por obrigação …

A narrativa “torturada” para se dizer que o PCP é “pró-Putin”… Autor: João Dinis, jano

A narrativa “torturada” para se dizer que o PCP é “pró-Putin” … Mesmo para acusar …