Home - Região - Oliveira do Hospital - O Pinóquio de Natal. Autor: João Paulo Albuquerque
João Paulo Albuquerque

O Pinóquio de Natal. Autor: João Paulo Albuquerque

                    “Com a mentira podemos ir muito longe, mas sem esperança de voltar.”

                                                                                                         Provérbio judeu

Depois de ouvir a mensagem de Natal e as “grandes” entrevistas “na primeira pessoa” que o Sr. Presidente da Câmara deu à sua “arregimentada comunicação social” deixou-me a pensar: será o Sr. Presidente um mentiroso compulsivo?

Como estamos numa altura festiva onde celebramos o nascimento de Jesus Cristo simbolizando o poder da vida sobre a morte, o poder do bem sobre o mal e o poder da verdade sobre a mentira, convém fazermos alguns esclarecimentos.

A tentativa ilusória de esconder as mentiras que tem proferido durante a sua regência trazem-no num aparente estado depressivo que chega a meter dó. A confusão que criou é tal que, na tentativa dos encobrimentos, revela verdades que até eram desconhecidas. Pois é Sr. Presidente, eu não sabia que o Sr. era o Presidente da Assembleia Geral da BLC3. Desconfiava, mas não sabia. Agora o Presidente da Assembleia Geral (AG) dizer conhecer apenas o Mestre João Nunes, o Engenheiro António Campos e a Professora Doutora Helena Freitas na BLC3 é que é uma grande falsidade. Basta passar os olhos pelos estatutos para ver a responsabilidade que a AG tem na formação dos Órgãos Sociais (OS) da BLC3. E não me venham dizer que estas quatro pessoas se multiplicam dividindo-se em vários para formarem a Mesa da Assembleia (MA), o Conselho de Administração (CA), o Conselho Fiscal (CF) e o Conselho Geral (CG), que integra um Conselho Consultivo (CCon), e um Conselho Cientifico (CCien). É muito conselho Sr. Presidente. E com tanto conselho, aconselho a explicar-se melhor ao Concelho. É que, assim, nem o “Pai Natal” acredita em si. Mesmo nesta época do ano.

Depois de ter recrutado para assessor de imprensa um ex-funcionário da BLC3, menos se entende o alheamento que tem desta Plataforma, pois este Dr(???) provou estar por dentro de todo o funcionamento da estrutura, comprovando-o estão os agradecimentos que recebeu de Ana Filipa Bilé Silva na sua dissertação de Mestrado. O Sr. Presidente tem ali à mão de semear uma pessoa capaz de lhe apresentar toda a gente que lá trabalha, assim como o pode informar o que por lá se vai passando. Acima de tudo ajudava a justificar o que recebe.

Podia-lhe apresentar o Luís Filipe Marques de Sousa, que é a prova cabal que a BLC3 merece todos os prémios e mais alguns. Pois neste caso, deparamo-nos com um autêntico milagre industrial e comercial efectuado pela BLC3. Imagine-se que este rapaz andou anos sem saber o potencial que tinha. Depois de décadas agarrado a um estirador na execução de desenhos de construção civil, mesmo sem ter curso de desenhador, foi recrutado pela plataforma como “Técnico de Desenho”, e lá no meio daquele ambiente de alto teor académico, acabou absorvendo todo aquele “saber”, todo aquele “know-how” que o levou a outros voos. Formou uma empresa capaz de desenvolver todas estas coisas: “Investigação e desenvolvimento de arquitectura sustentável, fiscalização, consultadoria, estudo, avaliação, peritagem, concepção de projectos e caracterização de património artístico, arquitectónico, urbanístico e arqueológico, planeamento e metalomecânica, comércio a retalho de material, equipamentos e outros materiais similares para construções, construção civil e obras públicas, actividades de animação, promoção, produção cultural e promoção do turismo. Criação e comercialização de borboletas de várias espécies”. Foi, particularmente, a experiência que adquiriu na criação de borboletas que lhe permitiu fornecer e equipar a BLC3 com ventiladores centrífugos, caldeiras e materiais refractários.

Continuando com o tema BLC3, gostava de saber onde param os resultados desta acção: “2.5 – BLC3 – PLATAFORMA PARA O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO INTERIOR CENTRO – PROTOCOLO D.A.G.F./DOC.3 – A Câmara Municipal sob proposta do Presidente da Câmara deliberou, por todos os membros presentes aprovar em minuta o Protocolo de Cooperação Multidisciplinar de Desenvolvimento Económico a celebrar entre o Município de Oliveira do Hospital e a Associação BLC 3 – Plataforma para o Desenvolvimento da Região Interior Centro, visando o estabelecimento de medidas de cooperação e apoio, de carácter multidisciplinar tendo em vista a sua implementação no território de Oliveira do Hospital, de forma a promover o desenvolvimento económico nas áreas abaixo descritas e correspondentes acções, conforme documento que se anexa e que fica a fazer aperte integrante desta ata, incluindo a atribuição de um apoio financeiro para a realização do projecto de intervenção, correspondente ao montante de 60.000,00 € (sessenta mil euros), a afectar exclusivamente pela BLC3 ao referido objecto, no período compreendido entre 1 de Abril e 31 de Dezembro de 2014, cuja concretização deverá ocorrer em 3 prestações trimestrais de pagamento antecipado relativamente ao período a que se referem: – Tratamento e valorização de resíduos e efluentes – elaboração de estudos e de propostas de intervenção municipal, designadamente levantamento de redes de água e saneamento e colaboração no tratamento processual destas áreas; – Apoio a projectos no âmbito da agricultura, nomeadamente nas fileiras agro-pecuária e agro-florestal – colaboração na elaboração de candidaturas a financiamento público; – Apoio ao empreendedorismo e às empresas, com especial enfoque no sector têxtil – participação na organização de certames; colaboração na definição de estratégia de captação de investimentos privados; – Promoção de medidas de gestão do ambiente no âmbito do planeamento integrado do território – elaboração de estudos e de propostas de intervenção municipal; – Apoio a outro tipo de actividades de conhecimento e investigação que sejam consideradas importantes para o desenvolvimento do território, designadamente nas áreas da Cultura e da Educação – elaboração de estudos e de propostas de intervenção municipal; – Elaboração de projectos técnicos na área do Associativismo e na área da Habitação Social”.

Não sei se deu conta, mas já lá vai um ano, o que faz disto outra mentira que custou 60 mil euros, para não falarmos do material que estava em Lagares e foi para o pavilhão da Cordinha. Material que ficou guardado à borla pois não se conhece a renovação do contrato. Não sabemos sequer se foi pago o contrato do ano anterior.

Como é que a BLC3 pode criar o deficit perigoso nas finanças da Câmara Municipal como o Sr. Presidente informou na “grande entrevista”? Pode, se for uma empresa participada, o que prova que o Sr. Presidente da Câmara e da AG tem andado a mentir constantemente sobre este assunto, levando a pensar que aqueles nove milhões de Bruxelas, mais os milhares de euros que a câmara escorrega para a BLC3 têm outros propósitos para além dos conhecidos. Urge esclarecer os munícipes que já andam fartos das “histórias da carochinha” que o presidente tem andado a contar a este respeito.

Passei hoje em frente às novas instalações da BLC3, as antigas instalações da ACIBEIRA e pensei que ia ver o famoso “elefante branco” arranjado, maquilhado, talvez até pintado de cor-de-rosa já que agora parece “estar na moda”. Mas não, roçaram somente as silvas, quiçá para fazerem petróleo. Parece que o investimento, que anda na ordem de um milhão de euros incidiu em dois pavilhões, contrariando o que ouvi na entrevista que João Nunes concedeu à RBN, em 30/05/2015, dando ideia que o “elefante” nunca mais seria branco.

Relembro que a obra em questão esteve numa plataforma, entre as 17h00 de uma sexta-feira até às 17h00 do dia seguinte, fora do normal horário laboral, para elucidação de dúvidas. No entanto, aquela empresa que mais forneceu a CMOH segundo o relatório da IGF durante 2009 a 2012 e que não conseguia legalizar um pavilhão com 540 m2 situado numa área florestal, esteve atenta e ganhou a obra por quase 850 mil euros. Os outros que não conseguiram dar preços por não assumirem os “erros e omissões” desvendados naquele período não laboral de 24 horas ficaram pelo caminho, mesmo tendo valores de menos de metade. É claro que isto não é uma obra da câmara, mas é uma obra que passou pelas mãos do presidente da AG, que por acaso era e é o presidente da câmara. Este presidente da AG, que por acaso era e é a edilidade, não reparou também que podia ter poupado quase 75 mil euros à BLC3 se deixasse os serviços técnicos da câmara fazerem fiscalização da obra, que foi entregue à filha do responsável do PDM e que, por coincidência, o tal terreno que era florestal é agora edificável.

Deixando por agora o tema BLC3, gostava de informar o Sr. Presidente que, naquela situação da limpeza das margens e dos leitos dos rios, escusava de ter andado para ali às voltas com a criação de empresas todas ligadas à mesma que faz os serviços e escusava de andar com aquela coisa da diferença dos 50 euros para fazer os ajustes directos. O Sr. tem perto de si um homem, que por sinal manda calar nas assembleias aqueles que dizem verdades incómodas, com uma experiencia tremenda tanto na limpeza dos rios como nos ajustes directos, pois conseguiu nesta área fazer dois contratos iguais no mesmo dia. Se tiver problemas com as árvores e o lixo que os trabalhadores paquistaneses contratados deixaram pelos leitos e margens, não se esqueça de pedir a opinião ao presidente Licínio, pois ele é a pessoa ideal para o ajudar neste sector.

Para terminar quero agradecer ao Sr. presidente o retorno que saiu das feiras do queijo e das expoh’s, pois são centenas as pessoas, para não dizer milhares que para cá vieram para connosco passarem esta quadra festiva. O queijo da serra desapareceu, mesmo a 30 euros por quilo. Quero também agradecer por nos deixar saber quanto custaram estas festas, não se conheciam os valores destas desde 2012 até à data, com a entrevista ficamos a saber que o valor foi “metade das do Mário Alves”. Logicamente ficamos esclarecidos. Agradecer também ter tornado público ao colocar na plataforma digital da câmara municipal as contas de 2012 no dia um de Dezembro de 2015, o que mostra efectivamente que somos um concelho transparente e que podemos esperar pelo dia um de Dezembro de 2018 para conhecermos as de 2015.

É bom saber que quem tem dúvidas para ir aos Aquinos a Tábua, basta dizer-lhes que Tábua fica antes de Oliveira do Hospital para quem vem dos lados de Coimbra. É bom saber que quem tem dúvidas para ir a Nelas à “grande festa do vinho Dão”, basta dizer-lhes que Nelas fica antes de Oliveira do Hospital para quem vem dos lados de Viseu. É bom saber que quem tem dúvidas para ir a Seia comprar queijo da serra, por ter esgotado em Oliveira do Hospital, basta dizer-lhes que Seia fica antes de Oliveira do Hospital para quem vem dos lados da Torre.

Depois desta brincadeira, com a colocação de Oliveira no mapa, resta desejar a todos um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo.

João Paulo AlbuquerqueAutor: João Paulo Albuquerque

LEIA TAMBÉM

O céu de Setembro…

A primeira efeméride relevante deste mês é a passagem da Lua junto a Pólux uma …

As eleições, os políticos e os funcionários públicos. Autor: Nuno Tavares Pereira

Normalmente de quatro em quatro anos temos alguma instabilidade em muitos lares do nosso país. …