Home - Opinião - O sonho de um Deputado perturbado pela demissão do «seu» Ministro… Autor: Carlos Martelo

O sonho de um Deputado perturbado pela demissão do «seu» Ministro… Autor: Carlos Martelo

Mais do que com um sonho, o Deputado debate-se com um pesadelo. Está a ser desassossegado pelo «fantasma» político de um «seu» Ministro de apoio que acaba de pedir a demissão ao Primeiro-Ministro que logo a aceitou.

– «Caraças, meu amigo e ministro!  Não tava nada à espera disto!  Então o meu amigo ministro das Infra-estruras, das redes viárias, resolve demitir-se sem me pedir opinião prévia? Deixe-me dizer-lhe que devia tê-lo feito! Devia ao menos ter-me telefonado a pedir-me conselho antes de se precipitar».

Responde-lhe «onsonho» o ex-ministro das infraestruturas e também da habitação, de uma forma muito nítida e carregada de lógica no seu contexto, como se fosse «ao vivo»:

– «Sabe meu caro deputado e amigo, este nosso Primeiro, e solicito-lhe reserva sobre o que vou dizer, este nosso Primeiro está a ficar cansado e sem mão em vários assuntos da governação. Eu tive que dar o corpo às balas, por exemplo nos problemas com o Aeroporto e com a TAP para lhe dar cobertura política, o que também arrasta cobertura partidária, mas tem custos pessoais para mim que fico mais exposto, tá a ver?».

– «Olhe ministro, e eu vou continuar a tratá-lo assim, volto a dizer que até intercedi por si quando o Primeiro ameaçou demiti-lo há uns tempos… Afinal tivemos tanta cumplicidade, tantas ´juras´ de apoio, principalmente sobre a obra da continuação do IC 6 e agora deixa-me abandonado nessa batalha.  Não pode ser! Volte atrás com o seu pedido de demissão!» – tenta impor o deputado que empola o tom de voz.

– «Não dá, não dá, que fiquei sem ter para onde recuar agora e para já, compreenda-me».

– «Ó que caraças de coisa! Eu agora é que fico sem ter para onde avançar com os meus compromissos, com as minhas promessas, veja lá, no caso do IC 6 sobretudo!» – contrapõe o deputado.

– «Lá está, se eu tenho saltado do governo uns mesitos atrás, eu tinha-me resguardado melhor que agora surgi enrolado, aliás sem saber, na ganância dos 500 mil euros da TAP apanhados pela senhora ex-Secretária de Estado do Tesouro» – pareceu lamentar-se o ex-ministro.

– «Deixe-me que lhe diga, ministro, que essa coisa de não saberem disto ou daquilo, essa manobra já não convence e antes pelo contrário. Eu cá vou abandonar essa tática. O povo já se aborrece com essa tendência dos principais responsáveis gostarem de fazer a figura ´do outro´, daquele que é o último a saber…  Fica mal!» – sentencia.

– «Pois então fique a saber, deputado – entrou em tom mais abespinhado o ex-ministro – fique a saber que eu não sou nada desses!  Eu sou íntegro e frontal!  Não ando é a espiolhar a vida de cada um ou de cada uma!  Percebe?» – conclui esta proclamação.

– «Não se irrite amigo. Mas não pode mesmo voltar atrás com o pedido de demissão?» –  insistiu o deputado feito ingénuo.

– «Já lhe disse que não.  Este processo está consumado.  E depois eu fico mais livre para ser eu próprio, para ir à procura de meu futuro partidário e político que ainda sou novo e, entretanto, vou refrescar» – profetizou o ex-ministro.

– «Caraças! Tou agora a ver melhor o «filme»! – confessou o deputado – O meu amigo ministro vai agora bater-se por chegar a chefe do PS e para poder vir a ser Primeiro Ministro. Quiçá a abrir portas para a Presidência da República…. Hum, tou a topá-lo melhor agora, sim senhor!».

– «Não confirmo nem desminto que o futuro a Deus pertence, embora eu cá nem acredite muito nisso, tá a ver?» – ironizou o ex-ministro já amaciado no seu pudor.

– «Bem, o senhor pode contar com o meu apoio nessa batalha pela chefia do PS – continuou o deputado – que eu sou um ganhador embora já ande há anos a perder as batalhas e a engrolar promessas por cumprir sobre o IC 6.  Mas deixe-me dizer-lhe que pode contar comigo!  E eu depois poderei contar consigo a sério e, finalmente, contar com a continuação do IC 6 nem que seja só por 20 quilómetros mais» – fechou esta «contabilidade» o deputado.

– «OK.  Fiquemo-nos então por esse entendimento» – concluiu o ex-ministro.

– «OK amigo ministro.  Então apresse-se!  Mas deixe-me dizer-lhe ainda que se o IC 6 não avançar até ao final do meu mandato como deputado, não voltarei a candidatar-me. Pode acreditar que eu sou um homem de palavra!» – pensou fechar assim a conversa, o deputado.

– «Peço desculpa, deputado. Continue a contar essas histórias por aí aos seus crédulos eleitores, mas deixe-me fora disso.  Sabe, agora vou refrescar como já lhe disse» – e aqui sim, acabou o sonho do deputado que acordou com a boca seca e com uma sensação desagradável no íntimo.  Porquê? – poderemos nós perguntar e também responder…

Carlos Martelo

 

 

 

Autor: Carlos Martelo

LEIA TAMBÉM

«São rosas, Senhor, são rosas…». «Não só, Senhora, também há laranjas!».  São frutos do sistema, dizemos nós!… Autor: Carlos Martelo

Não sei bem porquê, acudiu-nos à ideia a história das rosas do rei D. Dinis …

O atestado. Autor: Fernando Roldão

Um atestado é uma declaração feita por testemunha ou por quem tem a certeza da …