Home - Últimas - “O Tabuense” acusa presidente da Câmara de Tábua de desvirtuar notícia e mostrar nervosismo

“O Tabuense” acusa presidente da Câmara de Tábua de desvirtuar notícia e mostrar nervosismo

O jornal “O Tabuense” acusa o presidente da Câmara de Tábua de deturpar a notícia que fazia a manchete de hoje daquele periódico, na qual se afirmava que poderia ser decretado um cerco sanitário ao concelho. Os responsáveis do jornal quinzenal asseguram que se limitaram a dar eco à opinião de fontes ligadas à protecção civil do concelho que colocam essa possibilidade. Adiantam ainda que, em nenhum momento, referem que o cerco sanitário é um dado adquirido como afirma o autarca na entrevista. Aquela publicação acusa ainda Mário Almeida Loureiro de mostrar um grande nervosismo e de tentar desvalorizar o papel daquele jornal na informação à comunidade de Tábua.

“Em parte alguma da notícia demos como certo que iria ser imposto o cerco sanitário em Tábua, como refere o jornalista da “Comarca de Arganil” numa das suas perguntas ao presidente de Câmara, facto erróneo e que deu oportunidade ao Sr. Mário Loureiro para expressar a sua indignação, considerando que o teor da notícia não tinha fundamento e apenas visava ‘alarmar a população’, frisa o comunicado da redacção do “O Tabuense”, explicando que se limitou a “transcrever as declarações do Sr. Vitor Melo, presidente dos Bombeiros de Vila Nova de Oliveirinha, e uma das autoridades do concelho nos domínios da Proteção Civil”.

“Face ao número de infetados em relação aos habitantes que temos, a percentagem alcançada já justificava fazer o cerco”, terá dito Victor Melo, alvitrando que a edilidade deveria “tomar medidas quanto antes para pensar no pior, controlando o que se passa nos locais onde teve lugar esse surto epidémico, nomeadamente nos lares, pois há muita gente que trabalha lá e que, inocentemente, pode já ter infectado pessoas das suas relações”.

“O Tabuense” sublinha que a finalidade dessas declarações visavam, sobretudo, alertar os responsáveis do concelho que têm que fazer algo mais do que fizeram até agora. “Pois num curto espaço temporal, o número de infectados subiu de dois para 22. E ainda se desconhecem os resultados de outras análises entretanto feitas.
E convém também esclarecer que um cerco sanitário é decretado pelas entidades de saúde e nunca por um autarca”, continua o comunicado de esclarecimento.

“Por isso titulamos a manchete: ‘Cerco sanitário pode ser imposto pela DGS em Tábua, o que é bem diferente de ser ‘um facto consumado’ como é dito nesta entrevista de ‘A Comarca de Arganil'”. “O Tabuense”, pode ler-se no comunicado, lamenta “que o teor da notícia …tenha mais uma vez dado azo a que o Sr Presidente da Câmara de Tábua tente desvalorizar o papel deste jornal na informação à comunidade tabuense, demonstrando um grande nervosismo, desvirtuando a notícia, a reboque de uma pergunta articulada”, frisam concluindo com uma pergunta. “É caso para perguntar: Afinal quem é que tenta alarmar os tabuenses?”, remata.

LEIA TAMBÉM

Um ferido grave em despiste no Carregal do Sal

Um homem, de 25 anos, ficou gravemente ferido após despiste do carro que conduzia em …

Rui Rio acredita na conquista da CM de Oliveira do Hospital e Francisco Rodrigues fala em “dinâmica de vitória irreversível”

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital é uma das autarquias que o presidente do …