Home - Região - Oliveira do Hospital - Onde está a caleira? Autor: João Paulo Albuquerque
Onde está a caleira? Autor: João Paulo Albuquerque

Onde está a caleira? Autor: João Paulo Albuquerque

Tentar encontrar Wally passou a ser comum, a partir de 1987, com o aparecimento deste personagem criado pelo ilustrador britânico Martin Handford, tornando-se há mais de duas décadas numa febre mundial. Nos livros infantis, Wally é um turista de indumentária esquisita (gorro e camisa listrados de vermelho e branco, calça jeans e usa bengala) que Handford esconde em detalhadíssimas ilustrações.

E porquê referir Martim Handford e o seu famoso Wally? Para além de estar em concordância com o título, o simples propósito resume-se ao convite final feito aos leitores, como constatarão mais à frente.

O facto de não poder estar presente no momento em que se situaram os acontecimentos em questão, pois motivos particulares obrigaram a ausentar-me nessa altura, fez com que seguisse o noticiário local através da net, lendo a informação on-line disponibilizada e acessível. Fiquei particularmente interessado nas notícias que referiam a estrutura e cobertura metálica da bancada central do Estádio Municipal de Oliveira do Hospital, pois foi sob minha alçada que esta foi projetada, preparada, fabricada e montada.

Tinha em mente que esta cobertura não tinha sido fornecida com caleira, o que me deixava satisfeito, pois o problemático e malfadado algeroz, que sujeitou a CMOH a limpar o terreno vizinho pertencente Sr. Engº Belmiro de Azevedo, recentemente medalhado pela autarquia, e que contribuiu para um comunicado da Direção do FCOH reforçando e apoiando a ação da CMOH na limpeza efetuada, nada tinha de minha responsabilidade. Por ventura, o caleiro teria sido colocado posteriormente.

Ao regressar, tive oportunidade de observar o local, reparei que a cobertura estava sem caleira, tal como tinha ficado nos meados da década de 90 do milénio passado, altura em que foi montada a pedido do Presidente da Câmara Engº Carlos Portugal. Considerei que a tivessem removido, que estivesse danificada e sem concerto. Enganei-me, não estava e também ninguém a removeu, não a vislumbro nem encontro, por isso optei por esta analogia com o Wally, convidando os Oliveirenses a tentarem encontrar a nefasta caleira. Caso não consigam, pois é difícil aparecer o que não existe, aconselho a CMOH e o FCOH a reverem as justificações que deram para fundamentar a limpeza do terreno que segundo o Sr. Presidente, albergará o futuro hipermercado “Continente”.

LEIA TAMBÉM

“O Deus Sol” continua a “cantar vitória com a força toda, apesar de…” Autor: António Lopes

Tal como tinha previsto, foram 4-3, porque o António José Cardoso, ficou aquém das expectativas. …

Estranho (des)concelho

Concelho este, meu, que te estranho. Abafado, nestes tempos que correm: Alguns, do mal  procuram …