Home - Outros Destaques - Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) deixou cair construção do IC6 entre Tábua e Folhadosa

Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) deixou cair construção do IC6 entre Tábua e Folhadosa

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), entregue hoje em Bruxelas à Comissão Europeia, através da plataforma informática oficial, deixou cair a construção do IC6 entre Tábua e Folhadosa. A realização daquele via, recorde-se, estava inscrita no projecto inicial. Juntamente com esta obra cai também a ligação ao IP3 dos Concelhos a sul. Os candidatos do PSD/CDS-PP e Chega já criticaram a utilização política que o PS local fez do facto do IC6 estar no primeiro projecto, tendo saudado a decisão em Assembleia Municipal, “quando já se sabia que a obra não tinha pernas para andar”.

“Mais uma vez cai a máscara dos políticos que fazem promessas que não podem cumprir. O IC6 foi, mais uma vez, utilizado como arma de arremesso eleitoral por parte do PS”, disse ao CBS Francisco Rodrigues, o candidato à Câmara Municipal de Oliveira do Hospital por parte da coligação “Unidos para construir o futuro”, suportada pelo PDS/CDS-PP. O candidato dos sociais democratas e centristas lembrou que, já em 2007, o ex-secretário de Estado socialista e oliveirense Paulo Campos dava como certa a conclusão da obra, seguiram-se constantes promessas por parte do actual executivo autárquico, mas a via permanece no mesmo local.

Francisco Rodrigues explica ainda que o IC6 nunca deveria ter sido transportado para esta campanha eleitoral, porque nunca estaria concluído antes dos quatro anos do próximo mandato autárquico. “Quem tantas vezes prometeu a conclusão desta via, deve agora vir dar algumas explicações aos oliveirenses. Uma coisa é certa, estou neste projecto precisamente para combater este tipo de política de promessas que não se podem realizar. Aquilo que prometer é para cumprir”, concluiu o candidato à liderança da autarquia.

A primeira versão do plano, recorde-se, foi entregue em Bruxelas a 15 de Outubro e Bruxelas mostrou logo que não aceitava o financiamento de estradas. No plano revisto, a rubrica Áreas de Acolhimento Empresarial (AAE) – Acessibilidades Rodoviárias que estava dotada de 190 milhões de euros (onde se incluía aquele troço do IC6), passou a contar apenas com 140 milhões. Já a rubrica missing links e Aumento de capacidade da Rede, dotada de 362,9 milhões de euros, e que previa a ligação ao IP3 dos concelhos a sul, baixou para um orçamento de 313 milhões.

O candidato do Chega à Câmara de Oliveira do Hospital não se mostrou, por isso, surpreendido com o facto do IC6 não integrar o PRR. António José Cardoso considera que o PS tem andado, ao longo dos tempos, sempre que há eleições, “a criar ilusões sobre o IC6”. “As pessoas do PS de Oliveira do Hospital sabem há muito tempo que não há, nem haverá, nos tempos mais próximos verbas para o IC6 e IP3. As pessoas já não acreditam na forma de fazer política destas personagens. Já em Maio de 2017, o ministro do Governo socialista Pedro Marques dizia em Nelas que o IC6 não era uma prioridade”, acusa António José Cardoso, segundo o qual há pessoas ligadas ao PS em Oliveira do Hospital que convivem bem com este tipo de fazer política. “São desonestos e tentam atrair a população com algo que não é realista. Uma das apostas do Chega é precisamente combater estas mentiras”, remata o candidato.

O CBS tentou também obter a reacção do candidato do PS à Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Francisco Rolo, mas tal não se revelou possível.

LEIA TAMBÉM

Número de casos de COVID-19 disparou para os 52 em Oliveira do Hospital e teme-se regresso ao confinamento

Oliveira do Hospital conheceu 26 novos casos de COVID-19 nos últimos três dias, elevando o …

CM de Oliveira do Hospital devolve IMI a associações e colectividades concelhias

Oliveira do Hospital e Tábua em risco de voltarem ao confinamento dentro de uma semana

O concelho de Oliveira do Hospital e Tábua estão entre os 27 concelhos em risco …