Home - Últimas - Polígrafo confirma que se vai gastar 1.8 milhões de euros num memorial, quando há vítimas que ainda não receberam casa

Polígrafo confirma que se vai gastar 1.8 milhões de euros num memorial, quando há vítimas que ainda não receberam casa

“É verdade que há pessoas que ainda não receberam todos os apoios prometidos sobre os incêndios de Pedrógão mas vamos gastar 1,8 milhões num memorial?”. Esta foi a resposta do Polígrafo que tinha recebido esta pergunta da parte de vários leitores sobre os fogos de 2017 que mataram 66 pessoas e fizeram 253 feridos. É que se as indemnizações por morte e ferimentos graves já foram pagos, o mesmo não se pode dizer da reconstrução das habitações destruídas, com várias famílias ainda sem habitação.

Mas ainda assim vai avançar o projecto da autoria do arquiteto Souto Moura – que não cobrará pelo seu trabalho – é constituído por um lago artificial com uma fonte que jorrará permanentemente e um moral com o nome das vítimas mortais. Segundo a agência Lusa, a concretização da obra custará 1,4 milhões de euros, ficando os restantes 0,4 milhões para os acessos rodoviários (que incluem uma zona de inversão de marcha), a renovação da paisagem da marginal da EN 236-1 e a plantação de um conjunto de diferentes espécies arbóreas autóctones ao longo de dois quilómetros. O monumento irá homenagear as 115 vítimas mortais dos dois grandes incêndios de 2017 (17 de Junho e 15 e 16 de Outubro).

No que respeita às 375 indemnizações (300 por morte e 75 por ferimentos graves) reconhecidas como devidas pelo Estado foram já pagas. A AVIPG e a MAAVIM confirmaram ao Polígrafo que não há qualquer pendência relativamente a estes casos. O mesmo não acontece na reconstrução total ou parcial de primeiras habitações. Conforme informação disponibilizada pela própria CCDR Centro sobre as vítimas dos incêndios de Outubro de 2017, há oito casos em que o apoio está ainda em execução, ou seja, os proprietários não têm a sua casa pronta a habitar. A história de Rosa Peres (no concelho de Tábua) foi relatada numa reportagem da SIC em Outubro último e, na altura, o atraso na reconstrução era ainda bastante significativo.

.
O Polígrafo, garante, confirmou junto do porta-voz da MAAVIM, Nuno Pereira, que esta obra continua longe de estar concluída, mais de 40 meses depois do incêndio. Há igualmente vítimas do incêndio de 17 de Junho que ainda não têm a sua casa reconstruída: o caso de Alzira Luís (Rapos, concelho de Castanheira de Pêra) foi noticiado pelo Jornal de Leiria em Julho de 2020 e, segundo confirmou o Polígrafo junto da família, o impasse mantém-se. Isto entre outros casos.

LEIA TAMBÉM

Frio e neve para a próxima semana

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) alerta para uma diminuição das temperaturas …

Motorista de Eduardo Cabrita acusado de homicídio por negligência

O motorista que conduzia o carro onde seguia o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, …