Home - Últimas - Politécnico de Coimbra desenvolve projeto para prevenir incêndios em zonas industriais

Politécnico de Coimbra desenvolve projeto para prevenir incêndios em zonas industriais

O Instituto Politécnico anunciou projeto que visa criar diretrizes de proteção na construção e organização do risco de incêndios florestais em zonas industriais. Intitulado InduForestFire, o projeto é liderado por Joaquim Sande Silva, docente na Escola Superior Agrária do Politécnico de Coimbra (ESAC-IPC), tendo nascido na sequência dos incêndios que devastaram o Centro do país em 2017, tendo, sobretudo, provocado prejuízos avultados nas zonas industriais de Oliveira de Frade (Viseu) e de Mira (Coimbra).

Financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), o InduForestFire assenta num estudo em seis zonas industriais do Centro do país: Mira, Tocha, Oliveira do Hospital, Mortágua, Oliveira de Frades e Pedrógão Grande. “Este é um projeto inovador na medida em que, pela primeira vez, duas equipas de áreas científicas muito distintas, as engenharias florestal e civil, tentam, numa mesma equipa, perceber o que esteve na origem dos elevados danos sofridos por várias zonas industriais durante os incêndios de 2017”, explica Sande Silva.

Ainda segundo o professor da ESAC-IPC, “esta parceria inovadora tenta encontrar soluções, quer ao nível das construções, quer ao nível da gestão da vegetação em torno das zonas industriais, no sentido de possibilitar a adoção de medidas legislativas cientificamente mais fundamentadas do que as que vigoram atualmente”. Os resultados deste projeto, com a duração de três anos, permitirão estabelecer diretrizes de construção e proteção de zonas industriais, a serem definidas pelos municípios e suas associações. Estas políticas aplicar-se-ão tanto às zonas já existentes como a construir.

O projeto deverá apresentar resultados e propostas de ação já em 2021, resultando de uma parceria entre a Escola Superior Agrária do Politécnico de Coimbra, o Instituto de Investigação e Desenvolvimento (ITECons-UC), a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e a Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra.

Os incêndios de 2017 consumiram vastas zonas florestais e habitações em todo o centro do país. As zonas industriais não foram poupadas no incêndio de 15 de outubro, com os maiores prejuízos a serem registados em Mira e Oliveira de Frades. Segundo estimativas divulgadas na altura, as chamas provocaram prejuízos de 32 milhões de euros e puseram em risco 340 postos de trabalho na Zona Industrial de Mira. Em Oliveira de Frades, as chamas destruíram na totalidade 15 empresas, a maior parte ligada ao setor de transformação de madeiras, um prejuízo avaliado em 100 milhões de euros.

LEIA TAMBÉM

Buscas por criança desaparecida concentradas na zona onde foram encontradas pegadas

As buscas pelo menino com dois anos que desapareceu ontem de manhã, em Proença-a-Velha (concelho …

Autoridades reforçaram os meios para encontrar menino de dois anos desaparecido de manhã na zona de Proença-a-Velha

A GNR garantiu que o dispositivo der buscas da vai ser reforçado com novos elementos, …