Home - Últimas - Presidente da Câmara de Coimbra rejeita acusações de conhecimento das adjudicações de vereador que se demitiu

Presidente da Câmara de Coimbra rejeita acusações de conhecimento das adjudicações de vereador que se demitiu

O presidente da Câmara de Coimbra rejeitou hoje as acusações de que tinha conhecimento das alegadas adjudicações feitas pelo vereador Jorge Alves, que renunciou ao cargo, nos Transportes Urbanos de Coimbra a uma empresa detida pelo seu filho. Manuel Machado repudiou, em comunicado, “as calúnias difamatórias e torpes que determinados actores políticos têm propalado”.

“Atacando-me de forma injusta e infundadamente, a mim e aos vereadores com competências delegadas, que, reitero, têm desempenhado as suas funções com competência, honestidade e idoneidade”, lê-se na mesma nota.

O movimento Somos Coimbra, recorde-se, considerou hoje que o presidente e vice-presidente da câmara sabiam das alegadas adjudicações feitas e que “a STRA SA estava a trabalhar para os Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC) e que era liderada pelo filho e pelo sobrinho do ex-vereador Jorge Alves”.

Face as estas afirmações, o autarca socialista disse que se “reserva, desde já, no direito de demandar os respetivos autores, no foro próprio, e em tempo útil”. Manuel Machado salienta que, “tendo em vista o apuramento da verdade e na sequência de um processo interno de averiguações com o objetivo de identificar eventuais irregularidades imputadas ao ex-vereador Jorge Alves, enquanto presidente do Conselho de Administração dos SMTUC”, o município comunicou, “oportuna e documentadamente”, os factos ao Ministério Público na segunda-feira.

O presidente da autarquia acrescenta ainda que “manifestou a total disponibilidade para prestar todos os esclarecimentos”. “A respeito de tal factualidade e dos seus intervenientes, as declarações e esclarecimentos serão dados, única e exclusivamente, para todos os devidos e legais efeitos, perante o Ministério Público, como é habitual e saudável no Estado de Direito democrático”, sublinha.

Para o Somos Coimbra, que detém dois vereadores no executivo municipal, os mais altos responsáveis pelo município (presidente e vice-presidente) “não podem invocar ignorância do conflito de interesses no valor de mais de 200 mil euros que levou à demissão de Jorge Alves” no sábado, invocando razões pessoais e de saúde.

“O presidente e o vice-presidente da autarquia devem aos conimbricenses rápidas e claras explicações sobre a sua participação nestas matérias”, sublinha a nota do movimento liderado pelo ex-bastonário da Ordem dos Médicos José Manuel Silva, que acusa os vereadores Regina Bento (PS) e Francisco Queirós (PCP) de aprovarem os contratos em causa, “sendo diretamente corresponsáveis”.

Na terça-feira, a Procuradoria-Geral da República revelou que foi aberto um inquérito para averiguar as alegadas adjudicações feitas pelo então vereador Jorge Alves, que “corre termos no DIAP [Departamento de Investigação e Ação Penal] Regional de Coimbra”.

A oposição exigiu esclarecimentos relativamente à demissão do vereador, apontando para alegadas adjudicações nos SMTUC, por ajuste direto, a uma empresa do filho e sobrinho, superiores a 200 mil euros, quando Jorge Alves era membro do conselho de administração, que integrou como vogal desde 2013 e que presidiu desde o final de 2017.

LEIA TAMBÉM

Museu da Miniatura Automóvel de Gouveia comemora 14 anos e apresenta colecção do museu de Salamanca

O Museu da Miniatura Automóvel de Gouveia celebra amanhã o seu 14.º aniversário e o …

Começaram as obras de modernização da Linha da Beira Alta

A Infra-estruturas de Portugal (IP) iniciou no dia 25 de Novembro, em Mangualde, os trabalhos …