Home - Sociedade - Primeira diretora da Eptoliva encontrada sem vida no Brasil

Primeira diretora da Eptoliva encontrada sem vida no Brasil

 

Reconhecida por todos como uma das fundadoras da Eptoliva, Maria Antónia Matos faleceu na passada quarta-feira no Brasil, país para onde rumou  sozinha, no passado dia 28 de abril, para tratar de assuntos pessoais.

De acordo com informação apurada pelo correiodabeiraserra.com, a reconhecida filha do concelho oliveirense terá sido encontrada caída no quarto de hotel já sem vida, tendo sido já sujeita a autópsia, cujo resultado associou o falecimento a problemas do foro cardíaco.

Com 72 anos, Maria Antónia Matos está associada a um vasto e notável currículo. Formada em Ciências Biológicas com Matemáticas e Ciências Pedagógicas, a destacada figura oliveirense iniciou a sua carreira profissional no Colégio Brás Garcia de Mascarenhas, onde lecionou durante 10 anos, e foi diretora da Escola Secundária de Oliveira do Hospital.

Em Maio de 1974 integrou a Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, onde ocupou o lugar de vereadora até 1978. Um período de tempo, em que Maria Antónia Bastos ficou conhecida pela sua luta pela construção das Escolas Preparatória e Secundária.

Foi ainda em 1978, que o Ministério da Educação requisitou os seus serviços para desempenhar funções de Sub-Directora Geral no Instituto de Acção Social Escolar e Seguro Escolar, em Lisboa. Ao mesmo tempo, foi Coordenadora da Acção Social Escolar numa vasta região da Zona Centro, apoiando todas as Escolas do Ensino Preparatório e Secundário.

O regresso às origens aconteceu quatro anos depois, altura em que assumiu funções lectivas em Escolas da Região.

De destaque foi também a sua passagem pela EPTOLIVA, ficando para sempre conhecida como a primeira diretora daquela escola profissional, cargo que ocupou até final do ano lectivo de 1998/99, altura em que cumpriu 36 anos de serviço.

Um percurso notável que levou a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital a prestar-lhe devida homenagem. Tal aconteceu no feriado municipal, em 2006, altura em que Maria Antónia Matos foi distinguida com a medalha de mérito municipal.

Natural de Seixo da Beira, Maria Antónia Matos, era casada e residia em Lisboa. A Oliveira do Hospital vinha “de tempos a tempos” para “matar saudades”. Confidências que a própria teve oportunidade de partilhar com o Correio da Beira Serra em fevereiro de 2007, em entrevista com Carlos Alberto, para a rubrica “Figuras”.

O corpo de Maria Antónia Matos ainda se encontra no Brasil, desconhecendo-se por esta altura a data e hora do seu funeral.

LEIA TAMBÉM

GNR deteve traficante de estupefacientes no concelho de Oliveira do Hospital

A GNR deteve ontem um homem de 32 anos por tráfico de estupefacientes e posse …

O Tabuense e Maavim entregam primeiras ajudas à Santa Casa da Misericórdia de Tábua

O jornal “O Tabuense” e o Movimento Associativo Apoio Vítimas Incêndio Midões (Maavim) deram hoje …