Home - Opinião - Prioridade oficial está a ser dada aos “Estados de Emergência” em vez de ser dada à Vacinação anti-Covid 19 ! Autor: João Dinis

Prioridade oficial está a ser dada aos “Estados de Emergência” em vez de ser dada à Vacinação anti-Covid 19 ! Autor: João Dinis

É verdade que estão muito preocupantes os altos índices da pandemia Covid 19 e mutações. Ao longo destes meses e a pretexto da pandemia, têm sido oficialmente decretados – estão a ser decretados – sucessivos “Estados de Emergência Nacional” volta e meia agravados até ao “Estado de Sítio” e às “Cercas Sanitárias” mais localizados. Todavia, sempre, com pesadas restrições às liberdades e aos direitos constitucionalmente consagrados. Creio mesmo que se tem exagerado nestas matérias.

Ou seja, a “esperança” (oficial) de mitigação da pandemia continua muito focada – demasiado centrada – nessas restrições “avulso”, nesses “Estados de Emergência Nacional”.

Porém, o facto é que, para lá e apesar de tanta restrição, a pandemia ataca e vai continuar a atacar. Dir-se-á que se assim não fosse, estaríamos ainda pior do que estamos, o que até poderá ser verdade. Porém, a experiência que decore nas nossas vidas, essa experiência demonstra que os “Estados de Emergência” e afins não controlaram a pandemia, sendo que a nossa População tem sido exemplar no acatar dessas restrições todas, desde logo porque o (grande) medo generalizado tem sido o mais eficaz dos “polícias”…

Mas e a Vacinação anti-Covid 19 ? Sim, há já omissões comprometedoras, e graves !

Na situação, é comumente aceite que “só” a Vacina anti-Covid 19 poderá controlar eficazmente a pandemia. Aliás, experiências anteriores com vacinações contra outras doenças demonstraram essa capacidade.

Neste momento, e ao que se vai vendo, a ciência “conseguiu” trabalhar bem e depressa:- há já várias Vacinas anti-Covid 19 e mais Vacinas estão para breve. Porém, estão a falhar estes Governantes que nos calharam “em sorte”, os nacionais e os da União Europeia, e por muita propaganda que façam não superam tais falhas políticas no atacar a pandemia !

Meus Senhores, Governantes e outras “sabichões”, então que nos dizem, agora, quando se sabe que a Alemanha não esteve à espera da Comissão Europeia para comprar as Vacinas a aplicar na Alemanha e que por isso adquiriu vantagem operacional ?

O “Plano Nacional de Vacinação anti-Covid 19” é uma valente treta !

Aliás, é um vasto aglomerado de autênticas tretas informatizadas !

Mas por que especial razão é que, perante a gravidade da situação, o “Plano” prevê – apenas – 1 200 Postos de vacinação a nível nacional e prevê – apenas – vacinar o grupo populacional da 2ª prioridade a partir de Abril ? Sabem que a Espanha, até final de Abril, prevê vacinar 15 milhões de Espanhóis ? E que a Inglaterra, até ao final deste mês de Janeiro, prevê vacinar 15 milhões de súbditos de Sua Majestade, a Rainha (que já se vacinou…)?…

Em Portugal, os decisores políticos do Governo – assessorados (por conveniência política…) por um grupo de “sabichões” – decretaram vacinar – já – os Idosos que estão em Lares e fizeram bem em decidir isso. Mas então, quando são vacinados os idosos que não estão em Lares e que são muitos ? Não se sabe ao certo. Assim, há já uma discriminação – inconstitucional – precisamente, dos idosos que não estão em Lares. Então esses idosos que, aliás, andam aterrorizados como os “filmes de terror covidiano” – diários – que passam nas televisões e rádios, quando e como vão ser eles vacinados ? Devem, primeiro, entrar em Lares e se os admitirem lá ?… Ou devem “emparedar-se” em casa, sem meterem o nariz de fora para evitar contágios ?…

E qual é a estratégia do Governo perante a introdução de Vacina(s) de uma só toma ?

Sabe-se que o Serviço Nacional de Saúde, SNS, vai ser “espremido” até ao tutano e receia-se que simplesmente não aguente a tremenda pressão diária. Então, e volto ao assunto, por que razão apenas 1 200 “postos de vacinação” ou seja, como e quando um efectivo reforço do SNS (e não só), também no terreno da Vacinação ?

Por outro lado, e não menos importante, que nos dizem Governo e grupo de “sabichões” quanto à eventualidade de introduzirem – logo que aprovada – pelo menos aquela Vacina de UMA SÓ TOMA a produzir (comercializar) a partir do final deste mês de Janeiro ?

Não adianta quererem meter pelo meio – para protelar decisões políticas – uma discussão extemporânea de pretenso nível científico sobre tal possibilidade.

Vacina(s) de UMA SÓ TOMA tem mais do que óbvias vantagens operacionais e quer para o Serviço Nacional de Saúde – que fica descongestionado em comparação com as duas actuais tomas – quer para os Cidadãos que deixam de ter de ir, de se deslocar, duas vezes à vacina (à “picadela”:..). Ou seja, Vacinas de UMA SÓ TOMA aceleram – para o dobro ou mais – os ritmos de Vacinação comparativamente com vacinas de duas tomas !

Sim, qual é a estratégia do Governo Português – preto no branco – para a Vacinação anti-Covid 19, de UMA SÓ TOMA ?

Digam-nos ! Digam-nos claramente! E actuem em conformidade ! E parem de nos “azucrinar” com os “Estados de Emergência” e afins !

João Dinis

CC nº 0 258 87 82

Rua da União 22 – 3405-625 Vila Franca da Beira (Oliveira do Hospital)

LEIA TAMBÉM

COVID-19: tudo sobre a nova variante do Reino Unido. Autora: Dra. Laura Brum

Quando tudo parecia estar a enveredar por um novo rumo, com a vacinação a trazer …

Ironias da pandemia nos desejos para o Ano Novo. Autor: João Araújo Correia, presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI)

Às vezes dou comigo a pensar, que talvez haja uma ordem universal, quiçá divina, que …