Home - Últimas - Produtores de queijo da zona Centro esperam retoma e modernização com PRR

Produtores de queijo da zona Centro esperam retoma e modernização com PRR

Os produtores de queijo da região Centro viram-se a braços com uma pandemia que trouxe instabilidade de vendas e esperam agora que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) seja uma oportunidade para modernizar e internacionalizar o sector. Na pequena Queijaria dos Lobos, em Oliveira do Hospital, com duas trabalhadoras, a pandemia começou por se sentir de forma bem vincada com uma quebra inicial de 80 por cento, contou o encarregado responsável da empresa, Carlos Oliveira, à Lusa, que diz já ter tido grandes expectativas em relação aos apoios provenientes da União Europeia, mas que já os voltou a perder.

“Já tive expectativa, mas deixei de a ter outra vez, mas também somos bastante resilientes e temos vontade de continuar”, salienta Carlos Oliveira que tinha dois clientes importantes com lojas em aeroportos e que, de um momento para o outro, deixaram de terem movimento, tornou-se até difícil “armazenar o queijo, até que se começasse depois a escoar”, recorda. Refere ainda que foi a venda via internet que permitiu à empresa registar algum lucro, ainda que menor.

Na BeiraLacte, no Fundão, a conjuntura ajudou quando chegou a pandemia, disse o sócio-gerente e fundador da empresa, Carlos Godinho, à agência Lusa. “Tínhamos a casa vazia, estávamos a produzir aquilo que vendíamos, sem grandes ‘stocks’ e foi o que nos valeu. Se fosse um ano antes era uma catástrofe”, salienta o responsável da empresa com 32 trabalhadores que produz, entre outros, os queijos amarelos, de Castelo Branco, e picante, todos de Denominação de Origem Protegida (DOP).

Com um volume de facturação anual de dois milhões de euros, Carlos Godinho registou uma redução de facturação de 20 a 30 por cento em 2020, notando que as principais quebras estiveram relacionadas com os distribuidores com maior ligação à restauração.

Já no Rabaçal, no concelho de Penela, a Serqueijos, empresa com cerca de 30 trabalhadores e que processa 20 mil litros de leite por dia, acabou o ano passado sem quebras, mas com um ritmo de crescimento muito mais baixo do que o esperado, passando de 10 por cento ao ano para 4 por cento, afirmou o director-geral do grupo Queijo Tavares, que detém a queijaria, João Silva Pinto.

“Estávamos com um ritmo de crescimento muito mais acelerado que acabou por abrandar com a pandemia”, referiu, salientando que, para isso, também ajudou o facto de a queijaria não estar exposta “ao canal de hotelaria e restauração”, trabalhando, sobretudo, com as grandes superfícies.

Ainda assim, a retoma tem sido sentida pelos produtores “de forma intermitente”, andando ao sabor das vagas e dos confinamentos que foram sendo impostos. “O mercado está muito instável. Podemos ter semanas ou meses de vendas muito boas e depois de repente há uma quebra da procura. A palavra que reina neste momento é a incerteza”, afirmou João Silva Pinto.

Para o responsável do grupo Queijos Tavares, que conta ainda com outras três queijarias, o PRR poderá trazer “uma aposta na modernização” do sector em toda a sua cadeia de valor – “do produtor de leite ao distribuidor”. Para além disso, João Silva Pinto acredita que esta também será uma oportunidade para incentivar a exportação no sector. “Já vendemos para exportação e temos alguns mercados subdesenvolvidos”, concluiu.

LEIA TAMBÉM

O regresso da chuva forte e trovoadas

A chuva, por vezes forte e acompanhada de trovoadas, vai voltar a todo o país …

Município de Figueira de Castelo Rodrigo investe 550 mil euros em seguro de saúde renovado e mais abrangente para os munícipes

A CM de Figueira de Castelo Rodrigo renovou e reforçou os serviços do “Seguro de …