Home - Últimas -  Protecção Civil lamenta morte de Bombeiro no combate a incêndio na Lousã

 Protecção Civil lamenta morte de Bombeiro no combate a incêndio na Lousã

A Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil expressa publicamente um voto de pesar e de solidariedades aos familiares, amigos e a todos os Bombeiros de Miranda do Corvo e de Portugal, pela morte do soldado da paz hoje quando combatia um incêndio em mato na Serra da Lousã, distrito de Coimbra. O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, também já endereçou os pêsames à família.

“Vivemos hoje mais um momento trágico, com a morte do Chefe José Augusto, do Corpo de Bombeiros de Miranda do Corvo, que comandava a equipa que combatia o incêndio que deflagrou esta tarde na Serra da Lousã. Em nome do Governo, endereço sentidos pêsames à família, amigos e à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Miranda do Corvo. Manifesto ainda votos de plena recuperação aos três bombeiros que ficaram feridos durante esta complexa operação na Serra da Lousã”, disse Eduardo Cabrita, frisando que “importa, neste momento, realçar a forma empenhada, generosa e profissional com que todos os dias milhares de bombeiros integram este esforço nacional da defesa da floresta contra incêndios”.

No mesmo teatro de operações, dois Bombeiros do Corpo de Bombeiros Municipais da Lousã foram assistidos devido à inalação de fumo e um outro Bombeiro do Corpo de Bombeiros de Miranda do Corvo sofreu ferimentos nos membros inferiores (queimaduras). O incêndio deflagrou pelas 18h26 horas, mobilizando 250 operacionais e 70 veículos. O incêndio foi, entretanto, dado como dominado por volta das 21h00. No local decorrem ainda as operações de rescaldo e vigilância.

LEIA TAMBÉM

Incêndios destruíram mais 500 hectares em Seia

Incêndio no Sabugal tem três frentes activas, mas não há localidades em risco

O incêndio que deflagrou hoje numa zona de mato em Santo Estêvão e Moita, no …

Pulseira electrónica para homem da Guarda por violência domestica

O Núcleo de Investigação e Apoio a Vítimas Específicas (NIAVE) da GNR da Guarda deteve …