Home - Opinião - «Quem tem telhas de vidro que não atire pedras ao telhado do vizinho…» Autor: Carlos Martelo

«Quem tem telhas de vidro que não atire pedras ao telhado do vizinho…» Autor: Carlos Martelo

Eu cá apreciei o quadro que ilustra a crítica apelidada de «Xuxa Gate» feita pela coligação PSD-CDS/PP em Oliveira do Hospital.  Ver a foto do candidato do PS à Câmara e também de outros dos seus apaniguados, toda emoldurada em fichas e fios elétricos, logo me sugeriu os «curto circuitos» que pode atrair aos neurónios das figuras…e afetar-lhes ainda mais o respetivo funcionamento… Aliás, é de reparar nos fácies de alguns deles que se riem assim como quem está a sentir «cócegas», no caso «elétricas»…  Atenção que isto pretende ser uma piada se calhar de gosto duvidoso, mas uma piada…

Mais sem risos, lembrar o conhecido ditado popular: – «quem tem telhas de vidro que não atire pedras ao telhado do vizinho».  Sobre isto dos favores e dos «nepotismos» (favorecimento ilegítimo de familiares) e afins, que dizer acerca da situação verificada com a esposa do cabeça de lista da coligação PSD com CDS/PP?

Pois a Senhora entrou ao serviço profissional numa na tal «ADESA – Serra do Açor, Associação de Desenvolvimento Regional», que, em última análise, se pode considerar como um «ninho» de amigalhaços via PS e via PSD que a constituíram através de seis Municípios vizinhos, um dos quais Oliveira do Hospital.  Pela «ADESA», a Senhora transitou – também por óbvia conveniência pessoal – para apoio na Câmara Municipal de Oliveira do Hospital onde, e não apenas por feliz coincidência, é funcionário o marido e cabeça de lista da coligação PSD com CDS/PP…

Entretanto, com a reentrada do marido no PSD e sua indigitação para cabeça de lista à Câmara (PS) de Oliveira do Hospital, a Senhora – por óbvia conveniência nem que seja para fugir a pressões dos candidatos PS que «mandam» nesta Câmara – a Senhora, dizia, «emigrou» para apoio na Câmara de Arganil onde, e não apenas por feliz coincidência, «manda» o PSD…  Portanto, neste caso, temos a «família» partidária de PSD a apoiar os seus membros quando estes precisam… Lá temos o nepotismo ou o compadrio ou ambos!

Portanto, lá está, mais do que diferenças de fundo há é semelhanças notórias em vários âmbitos do comportamento partidário entre as candidaturas PS e PSD (e CDs/PP).  E após as próximas Eleições Autárquicas, e qualquer que seja o resultado, vão dizer um para o outro: – «vem a meus braços! Vamos recomeçar o nosso trabalho interrompido», e lá se abraçam mesmo comovidos, politicamente falando, claro…

Os tentáculos subterrâneos do «eucalipto» PS

Do eucalipto planta se diz que seca tudo à volta. Em Oliveira do Hospital, com mais influência que outros «gates» (escândalos), o PS e através deste uma organização tipo «seita», controlam a maioria das instituições públicas ou não.  É olhar para cada uma dessas Instituições e ver quem está lá à frente na direcção, na administração, e imaginar como lá foi parar.  E fazer as contas, designadamente no capítulo das consequências político-partidárias que daí advêm. Nas eleições isso verifica-se bem, a começar pelas Eleições Autárquicas…

Atalhar este «eucaliptal domínio» exercido pelo PS, e como já outro alguém disse antes de mim, é uma das tarefas incontornáveis à democratização da vida no nosso Município. Para também dessa forma, libertar tanto Cidadão e tanta Cidadã do jugo de dependências espúrias que, em última análise, são aviltantes do ponto de vista individual e social e antidemocráticas do ponto de vista político.

Enfim, no reino vegetal, usei a analogia com o eucalipto.  Se fosse no reino animal, qual seria essa analogia com este sistema tentacular «made in» (feito por) PS?   Sim, essa mesma em que pensou…

Abaixo o nepotismo!  Abaixo o caciquismo!   Queremos mais Democracia!

 

 

Autor: Carlos Martelo

LEIA TAMBÉM

E continuam a propor-se como a melhor solução para (des)governar o Concelho… Autor: António Lopes

Estou a pensar que, estamos a 24 de Maio. A lei, diz que os terrenos …

Viva a Freguesia de Vila Franca da Beira! Viva! Autor João Dinis, Jano

Sim, foi a 23 de Maio de 1988 que saiu em Diário da República a …