Home - Opinião - “Quero o que nos prometeram ao longo dos anos e nos tiraram ao longo da vida”. Autor: Fernando Tavares Pereira

“Quero o que nos prometeram ao longo dos anos e nos tiraram ao longo da vida”. Autor: Fernando Tavares Pereira

Sou um empresário do interior. Trabalho por minha conta há cerca de 50 anos. Muito se fala no Interior e nas regiões desfavorecidas. Mas infelizmente só se lembram de nós quando estamos em eleições. Sei que temos menos votos que outras regiões, mas se não fosse o Interior de Portugal, muito dos apoios da União Europeia não vinham para Portugal. Os incentivos vêm para o desenvolvimento das regiões desfavorecidas e para a coesão territorial. Só que pelo caminho sofrem desvios e acabam nos locais de sempre. Quero o que nos prometeram ao longo dos anos e nos tiraram ao longo da vida.

Vejamos. Estamos numa região onde hà cerca de 35 anos tinhamos mais condições de vida que hoje. Havia investimentos, havia liberdade. E o que temos hoje? Não temos liberdade, tudo se amedronta quando se dá opinião diferente de quem governa. Sejam eles quem sejam. A região da Beira Serra continua sem acessibilidades que são sempre promessas em altura de eleições. A Nacional 17 e as suas ligações são uma vergonha, causando muitas perdas de vidas e um caos financeiro a famílias e empresas. As condições precárias da via causam prejuízos aos veículos e “caça à multa” constitui umaverdadeira restrição à circulação. Há mais de 35 anos que o seu troço se mantém praticamente sem alternativas dignas do século XXI. Ora não havendo acessos, como podem haver investimentos privados?

A vertente norte da Serra da Estrela tem sido mantida ao abandono durante décadas, também porque a maioria dos municípios não se tem preocupado com o crescimento dos seus munícipes, servindo só os interesses de alguns, deixando empresas sem qualquer apoio para que possam competir com as de outras regiões próximas. Estamos num chamado “triângulo das Bermudas”. Estamos a sensivelmente 60 km de Viseu, 70 km de Coimbra e 80 km da Guarda e Covilhã. Mas demoramos mais de duas horas em alguns casos para poder chegar em segurança. Se falarmos em chegar ao Porto, Braga ou a Lisboa, então nem se fala. Fica mais barato ir a Madrid do que ao Porto ou Lisboa. Não acham isso suficiente para que algo se faça definitivamente pela região?

Estão os empresários locais de parabéns, pelo que lutam diariamente contra todas estas adversidades e que mesmo assim têm força e não desistem da sua região. São eles que criam empregos, que exportam, que continuam a investir. Mas cada ano que passa, menos gente cá vai ficando. Menos centros de saúde, hospitais, tribunais, escolas fechadas e sem formação especializada.

Com a catástrofe de Outubro de 2017 tudo piorou… Os agricultores da região, pequenos e grandes, ficaram na maioria sem apoios e muitas famílias ainda estão sem habitação própria. Fomos mais uma vez desprezados. As promessas foram muitas, mas os apoios não chegaram. Está na altura de a região estar à altura das outras regiões de Portugal. Mesmo pertencendo às recém criadas Cim´s, o que fazem elas pela nossa região? Só precisam dos concelhos mais desfavorecidos para receber os apoios, que depois acabam nas zonas mais desenvolvidas. Isso não é apoiar as regiões mais carentes. Somos sempre o parente pobre do país e isso tem de acabar. Quero que a minha região tenha apoios para desenvolver a qualidade de vida. Quero acessibilidades dignas entre estes os concelhos da Beira Serra para Coimbra/Viseu/Guarda/Covilhã/Espanha. Quero apoio médico às populações da região. Quero ensino qualificado para os jovens cá terem futuro. Quero apoio ao território local apoiando a Agricultura e a Floresta. Quero o que nos prometeram ao longo dos anos e nos tiraram ao longo da vida.

 

 

 

 

 

Autor: Fernando Tavares Pereira

 

LEIA TAMBÉM

Museu da Miniatura Automóvel de Gouveia comemora 14 anos e apresenta colecção do museu de Salamanca

O Museu da Miniatura Automóvel de Gouveia celebra amanhã o seu 14.º aniversário e o …

Começaram as obras de modernização da Linha da Beira Alta

A Infra-estruturas de Portugal (IP) iniciou no dia 25 de Novembro, em Mangualde, os trabalhos …