Home - Região - Oliveira do Hospital - “Só dou mais explicações sobre os contratos da limpeza dos rios no Ministério Público”
José Carlos Alexandrino

“Só dou mais explicações sobre os contratos da limpeza dos rios no Ministério Público”

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital considera que não tem de fornecer mais explicações públicas sobre os contratos de limpeza das margens dos rios do concelho, cuja legalidade tem levantado muitas dúvidas ao eleito António Lopes. José Carlos Alexandrino, que falava na reunião de Câmara de hoje e numa altura em que o vereador do PSD João Brito o questionara sobre um outro tema, disse já ter fornecido os documentos necessários a quem os solicitou, sem nunca citar o nome do eleito António Lopes, e que esse deputado optou por colocar o caso no Ministério Público e na Polícia Judiciária. Por isso, entende que será aí onde irá prestar os esclarecimentos necessários.

Sem nunca falar sobre o facto de alguns concursos terem sido ganhos por 50 euros de diferença e das dúvidas que António Lopes tem levantado, José Carlos Alexandrino sublinhou que poderia ter escolhido as empresas que iriam efectuar o serviço. Mas, apesar da lei lhe conferir esse direito, optou por convidar três concorrentes. “Podia ter convidado só uma, mas foram chamadas três empresas a concorrer. Vieram aqui e foram aprovadas por unanimidade. Foi tudo auditado pelo PRODER”, continuou o autarca, assegurando que quem ficou a ganhar em todo o processo foi Oliveira do Hospital. “Não houve ninguém beneficiado, quem beneficiou foi o concelho com 500 mil euros a fundo perdido”, frisou, adiantando que não vai andar a fazer comunicados a explicar um caso que já foi entregue às autoridades.

O autarca disse ainda não ter nada a temer. Mostrou mesmo um volume de documentos que prometeu entregar às autoridades, ainda antes do processo ser aberto, para averiguarem se existe alguma irregularidade. “Eu antecipo-me. O meu momento de glória será quando o processo for arquivado”, atirou, acusando um deputado, numa alusão a António Lopes, de ignorância e desonestidade política.

José Carlos Alexandrino resolveu ainda brindar “algum jornalismo” (numa alusão ao CBS) com alguns mimos por, no seu entender, estar ao serviço de quem lhe paga e “colocar o que o patrão manda em vez de procurar a verdade”. No final, o autarca conversou amigavelmente com os outros órgãos de comunicação social presentes, ignorando, aparentemente, o CBS.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa do Correio da Beira Serra nº3

Clique na capa abaixo para ler a edição impressa.

Fernando Tavares Pereira defende “liberdade de expressão” em Tábua

O empresário Fernando Tavares Pereira, candidato do PSD à Câmara de Tábua nas próximas autárquicas, …