Home - Opinião - Tempos solidários… Autor: Carlos Ascensão

Tempos solidários… Autor: Carlos Ascensão

Que vivemos tempos difíceis, já todos nós sabemos.

Difíceis pelo que vemos e ouvimos, pelo que ignoramos, por esta incerteza intranquila que o desconhecido nos suscita.

Pela minha parte, acredito que as coisas vão/estão a melhorar, num otimismo moderado e contido.

Confiar, desconfiando!

O meu foco de hoje vai para os funcionários da autarquia de Celorico da Beira…

Há um preconceito, diria que generalizado, que acusa os trabalhadores das Câmaras Municipais de não trabalharem. Nada de mais falso e injusto!

Na minha ainda curta experiência de autarca, tenho constatado que se trata de um postulado errado.

Para além do seu dia a dia, mais ou menos visível aos olhos do cidadão comum, foi evidente, entre outras ocasiões, a grande entrega que uma boa parte dos nossos trabalhadores teve na nossa última Festa da Feira do Queijo. Alguns foram, simplesmente, inexcedíveis na entrega e dedicação.

O mesmo está a acontecer agora, por estes dias que correm. É nas horas difíceis que a essência das pessoas se revela. Também é verdade que é nestes momentos de dificuldade que melhor conseguimos separar o trigo do joio.

Registamos.

Quase todos os funcionários, desde a primeira hora, assumiram este compromisso solidário, empenhados e sem queixumes. Têm sido vários os que, dentro deste regime condicionado de funções, nos fazem chegar a sua disponibilidade para o que for necessário, em qualquer momento.

Ontem, era meia manhã, encontrei, no exterior da entrada da Município, dois trabalhadores e, como é hábito, cumprimentámo-nos cordialmente.

Já tinha conhecimento que, apesar da chuva, tinham acabado de resolver mais um recorrente problema relacionado com a nossa caduca frota automóvel. Nada de novo.

Foi aí que, um deles, se dirigiu a mim nestes termos: ” Sr. Presidente, por causa desta reorganização do serviço derivada do Corona virus, alterno aqui com o meu colega uma semana ao serviço e outra em casa. Hoje vim cá para resolvermos este problema. Olhe, ao invés de ficar em casa, eu não me importo de vir trabalhar todas as semanas porque, só um de nós a trabalhar, pouco consegue fazer.”

Grande gesto de humildade e altruísmo, amigo Morais e companhia! Agradeci, senti-me grato e muito mais confiante perante a vida. Afinal, há esperança para a humanidade. São gestos destes que nos dão força e alento para acreditar que podemos construir um futuro melhor.

Às vezes o pouco é tanto!!!

BEM HAJAM.

Autor: Carlos Ascensão, presidente da CM de Celorico da Beira

 

LEIA TAMBÉM

Ponte Palhez – rio Mondego – liga concelhos de Mangualde e Gouveia e distritos da Guarda e Viseu. Autor: João Manuel Pais Trabulo

Situada na EN 232, sobre o rio Mondego, serve de ligação entre os concelhos de …

E continuam a propor-se como a melhor solução para (des)governar o Concelho… Autor: António Lopes

Estou a pensar que, estamos a 24 de Maio. A lei, diz que os terrenos …