Home - Economia - Terreno da Sonae que a autarquia limpou na quinta-feira, deve acolher um hipermercado Continente
Terrenos da Sonae que a autarquia limpou na quinta-feira, devem acolher um hipermercado Continente

Terreno da Sonae que a autarquia limpou na quinta-feira, deve acolher um hipermercado Continente

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital deu hoje a conhecer, via Centro TV, que a cidade pode vir a contar brevemente com um hipermercado Continente. O investimento está previsto precisamente para o terreno que a autarquia limpou na última quinta-feira, uma intervenção que deixou alguns oliveirenses indignados, por se tratar de um trabalho executado num terreno privado e que foi justificado pelo município com a necessidade dos serviços camarários acederem a uma caleira do Estádio Municipal.

“Já deu entrada nos serviços técnicos da Câmara Municipal um pedido de licenciamento prévio sobre uma unidade que é do Continente…. Perspectiva-se que o Continente se vai instalar, junto ao campo de futebol que era um terreno que já pertencia à Sonae Industria e que agora, com certeza, pertencerá lá à empresa que gere os Continentes”, referiu àquele site José Carlos Alexandrino. “Penso que vai ser uma realidade em Oliveira do Hospital”, sublinhou o autarca, adiantando ainda que “a Câmara Municipal não pode impedir legalmente estes grupos de se instalarem no seu concelho”. “De qualquer maneira, também percebemos que o Continente é uma marca de prestígio e que aqui na zona não há nenhum e o mais próximo se calhar é o de Tondela e, se calhar, será uma mais-valia para Oliveira do Hospital e que poderá alavancar um conjunto de pessoas”. Apesar do optimismo, o autarca não esconde alguma preocupação em relação aos comerciantes locais. “Tenho conversado com algumas pessoas e vejo os pequenos e médios empresários preocupados com essa realidade: mais uma instalação de uma grande unidade”, conta, voltando a referir, porém, que com esta aposta “Oliveira do Hospital pode vir a ter muito mais gente”.

O porta-voz do PCP em Oliveira do Hospital mostrou-se muito preocupado quanto ao futuro do comércio local. “Uma nova unidade destas dimensões pressupõe uma certidão de óbito para o comércio local e temos de ter em conta que Oliveira do Hospital foi uma cidade que se consolidou através dos pequenos e médios empresários. Agora estão a ser co-incinerados pelas grandes superfícies”, referiu João Dinis que não se mostrou surpreendido com a intervenção de limpeza da autarquia no terreno do grupo económico da Maia. “O Belmiro precisa e a Câmara Municipal coloca à disposição. O executivo corre o risco de se transformar numa sucursal da Sonae “, frisou.

O líder concelhio do PSD também está convencido que a limpeza do terreno foi uma operação de charme para com o Grupo Sonae. “Não é que custe muito, mas não é correcto”, referiu Nuno Vilafanha que mostra alguma preocupação sobre as consequências que terá para os pequenos e médios comerciantes a instalação simultânea do Continente e do Pingo Doce em Oliveira do Hospital. Tem mesmo dúvidas se o mercado não ficará demasiado saturado. “É um factor que merece muita reflexão. Há por um lado um sinal de desenvolvimento, pode vir mais gente fazer compras à cidade. Mas como oliveirense não posso deixar de me preocupar com os pequenos comerciantes que terão dificuldades em subsistir”, conta, adiantando que o pequeno comércio permitia uma repartição da riqueza que não irá acontecer com as grandes superfícies. “Penso que os consumidores vão ganhar e depois tudo depende dos postos de trabalho que venham a ser criados por esse investimento. É um caso que merece estudo, vai-se perder de um lado, vamos ver o que ganhamos do outro”, concluiu. Já o líder concelhio do CDS, Luís Lagos, considerou que a realizar-se esta é uma boa notícia. “Fico feliz, é bom haver investimento no concelho”, frisou, adiantando que a autarquia se sabia deste investimento fez bem em limpar o terreno. “Numa altura em que não existe investimento público é sempre saudável que tenhamos investimento privado. O mérito não deve ser dado aos partidos mas sim ao empresário Belmiro de Azevedo que a concretizar-se este investimento teremos de dizer em boa hora lhe deram a medalha de ouro”.

Esta é a segunda vez que a SONAE Distribuição procura instalar-se em Oliveira do Hospital. A primeira aconteceu aproximadamente em 2001, quando o antigo presidente da Câmara Mário Alves era o vereador com o pelouro das obras. Ao que o CBS conseguiu apurar junto de fonte próxima do anterior autarca, o projecto foi aprovado pela autarquia, mas o investimento acabou por não se realizar, alegadamente “por o investidor ter chegado à conclusão que não seria rentável”.

LEIA TAMBÉM

Oliveira do Hospital com praias para receber 760 banhistas, com Avô a liderar com 410 espaços

O Governo publicou hoje a capacidade de ocupação das praias para a época balnear 2021 …

Bebé nasceu na ambulância dos Bombeiros Voluntários de Lagares da Beira

Os Bombeiros Voluntários de Lagares da Beira auxiliaram hoje o nascimento de uma criança quando …