Home - Outros Destaques - Padre excluído do polémico subsídio atribuído pela CM de Oliveira do Hospital às paróquias de três párocos

Padre excluído do polémico subsídio atribuído pela CM de Oliveira do Hospital às paróquias de três párocos

O pedido inicial de apoio da Fábrica da Igreja Paroquial de Oliveira do Hospital à Câmara Municipal no contexto da COVID-19 que terminou com a atribuição de um subsídio de 6600 euros às paróquias assistidas por três padres era inicialmente de oito mil euros e incluía mais um pároco. O apoio, porém, foi aprovado, com o voto contra da vereadora do PSD, apenas para as paróquias dos padres António Loureiro, Paulo Filipe e Rodolfo Albuquerque, excluindo o padre António Borges de Carvalho que, segundo o Anuário Católico, aos 80 anos, é pároco nas localidades oliveirenses de São Paio de Gramaços e Santa Ovaia.

Carta do pedido de subsídio

O pedido (que se encontra aqui reproduzido e que surgiu com a data de 2019) em rigor não especifica qual o destino que será dado à verba, limitando-se a falar genericamente das dificuldades financeiras causadas pela COVID-19, ampliada pela impossibilidade da realização da visita pascal aos fiéis. Nestes termos, o PSD entendeu que se tratava de um apoio financeiro directo aos padres. “Dada a difícil situação económica que vivem as nossas paróquias, em que para mais este ano não houve a visita pascal, tradicional fonte de receitas para todo o ano, venho solicitar um subsídio de 8000 euros, a serem distribuídos como apoio, em partes proporcionais, pelas paróquias do nosso concelho, assistidas pelos padres António Loureiro, Paulo Filipe, Rodolfo Albuquerque e António Borges”, pode-se ler no pedido efectuado pela Fábrica da Igreja, que solicitou ainda apoio logístico para o “retomar do culto público”.

Vereadora do PSD terá considerado que se tratava de ordenados camuflados

A vereadora do PSD que votou contra recusou-se a prestar declarações ao CBS, mas ao que conseguimos apurar Emília Moreira votou contra por não encontrar naquele pedido especificados os objectivos do destino da verba. “Não concordou e entende que aquilo é uma forma de fornecer um ordenado camuflado aos padres”, referiu uma fonte próxima da autarca social-democrata, adiantando que o executivo PS na reunião de Câmara seguinte “alterou na acta os pressupostos do subsídio aprovado, referindo que se destinava a pagar a luz e outros custos, mais uma vez perante o protesto e voto contra da vereadora do PSD”.

Padre Paulo admitiu falar com Bispo para sair

A polémica começou, recorde-se, a 17 de Maio, quatro dias antes do pedido, quando o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital durante a celebração da Eucaristia Dominical em Ervedal da Beira,  subiu ao altar e utilizou da palavra, acabando por fazer um discurso, tendo sido acusado de utilizar a igreja para fazer propaganda política. O padre Paulo, um dos que alegadamente vai beneficiar do subsídio, e responsável por aquela missa, sabe o CBS, chegou a transmitir a, pelo menos, um dos críticos daquela acção que não fazia fretes políticos e admitia pedir a transferência. “Não faço fretes políticos… Mas eu próprio me vou encarregar de falar com o sr. Bispo e pedir a minha saída”, disse. O CBS sabe também que há membros da igreja que não se encontram cómodos com toda esta polémica.

LEIA TAMBÉM

Documentário “A Máscara de Cortiça” do cineasta oliveirense Tiago Cerveira ganhou prémio na Bósnia e Herzegovina

O documentário “A Máscara de Cortiça” conquistou o prémio “Claquete de Bronze” na Bósnia e …

Testes realizados na IPSS de Galizes deram negativo, mas a instituição mantém mdidas apertadas

Os testes realizados a 24 colaboradores e utentes que estiveram em contacto com a colaboradora …