Home - Opinião - “Voltas Trocadas” ou a Inconsciência de Governação. Autor: António Lopes

“Voltas Trocadas” ou a Inconsciência de Governação. Autor: António Lopes

A pandemia não é o Covid. Estou a curá-lo e não me incomoda por aí além. Incomoda-me muito mais esta “epidemia festiva e festivaleira” em Oliveira do Hospital que, como bem diz o Senhor Presidente, é desde o início do mandato. Numa primeira fase, também acreditei que uma maior divulgação do concelho e da Região poderiam trazer uma mais valia em termos turísticos, e não só. Só que, a menos que me tenha escapado alguma coisa, o número de camas em Oliveira do Hospital diminuiu. Toda a actividade comercial e industrial também. Foi a Pousada de Santa Bárbara, que ainda não dei conta da reabertura. É o hotel no centro da cidade, este há anos fechado.

Por mais de uma vez perguntei ao Senhor Presidente, e não só, se havia algum estudo quanto a retorno do investimento nos milhares de almoços da Feira do Queijo e outras despesas, que sempre andou, quando ainda havia alguma oposição, especialmente a minha, em mais de 50 000 00 euros por evento. Sendo que o problema do queijo é haver para vender..! Hoje e EXPOH, envergonha todas as regras de bom senso e gestão, para não falar de situações que se conhecem mas só com documentos na mão.Esses nem com sete decisões da CADA, os consegui na totalidade.

Do que vou lendo na Contratação Pública, especialmente a EXPOH, são gastos a roçar, se não o crime público, pelo menos a inconsciência do que é a gestão de dinheiros públicos. Pelas minhas contas, e por defeito, não por excesso, a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, recebeu mais de 150 milhões de euros, nestes 12 anos. Futebol e festas, também pelas minhas contas, terão gasto mais de 10 por cento desta verba. Em contrapartida, apoio ao Ensino Superior, apoio à natalidade, combate à desertificação, apoio social a famílias carenciadas, nos primeiros 8 anos em que acompanhei e combati, estas três verbas nunca atingiram os 200 000 00 euros por ano. Portanto menos de dois por cento. Quanto a retorno de eventos, ainda estou à espera. E dificilmente alguém conseguirá demonstrar que tenha havido quaisquer mais valias.

A única unidade hoteleira que é um sucesso neste concelho, Caldas de S.Paulo-Aqua Village, foi a tenacidade do empreendedor que, contra ventos e marés, impôs uma marca e um projeto de referência.Não foram os eventos nem a divulgação de Oliveira do Hospital que contribuíram para esse sucesso. Este tipo de clientela não funciona por festas..! Outro sim. O empenho e profissionalismo do Prof, Francisco Cruz e da sua equipa.

Estamos em fim de ciclo, espero que se tenha aprendido alguma coisa. Quando percebi que este caminho era irreversível, fiz o que estava ao meu alcance para o reverter. Não o conseguindo. Não quis com a minha presença e apoio chancelar este tipo de gestão, que de gestão pouco tem. Claro que, como em qualquer regime, nunca é mau para todos. Tem até quem ande bastante satisfeito.E motivos não lhes faltam…

Autor: António Lopes

LEIA TAMBÉM

Covid-19 provoca mais um óbito no lar Manigoto, em Pinhel

Um idoso de 90 anos morreu ontem no Hospital Sousa Martins (HSM), na Guarda, elevando …

Letalidade COVID e Excesso de Mortalidade…Autor: Carlos Antunes

A modelação da letalidade Covid, idêntica à da incidência, indica-nos que entrámos numa nova tendência …